O Anticristo – obra de Nietzsche


Nicolau Neto com o exemplar do livro O Anticristo. (FOTO/ Valéria Rodrigues).


Já falei aqui nesta mesma série do teólogo, filósofo e professor universitário que deixou um legado importantíssimo na história da humanidade ao propor um espírito irrequieto e clamar por liberdade, Friedrich Nietzsche com o livro “Aurora”. Hoje, trago mais uma vez Nietzsche - um dos pensadores mais completos das chamadas Ciências Humanas. (Grifo meu).

Em “O Anticristo”, uma das obras mais instigantes do autor e era sua intenção colocá-lo como sendo a primeira obra, dentre outras três, para expor em um conjunto de quatro que iriam ser chamados de “Vontade de Potência”, que infelizmente não se concretizou. Veio a público uma escrita que fora forjada por sua irmã Elisabeth Nietzsche que acabou por contrariar todo a lógica de pensamento dele, inclusive expondo o pensamento do filósofo erroneamente.

Lida e em muitas ocasiões mal interpretadas, “O Anticristo” é um dos escritos mais brilhantes não só do autor, mas de toda a gama histórica, por trazer à tona uma série de questões que pouquíssimas pessoas possuem a audácia de expô-la, ainda mais com tanto zelo e propriedade com que Nietzsche as expôs. Neste livro, ele destaca como fundamental as críticas aos valores estabelecidos em mais de dois mil anos do Cristianismo e propõe a troca desses valores.

Nietzsche foi um dos poucos a tocar na ferida da sociedade majoritariamente religiosa cristã ao frisar que “o evangelho morreu na cruz” e isso incomoda muita gente. Incomodou tanto que alguns atribuem a doença que ele adquiriu ao fato de ter aversão a fé cristã e, portanto, a um castigo divino. E ainda há quem assim pense. Ledo engano.

Nietzsche combateu fortemente a ilusão pregada pelo cristianismo que transformou, segundo ele, o homem e, portanto, o mundo em algo inferior. Ele luta contra o dualismo que não leva ninguém a lugar algum, como, por exemplo, corpo e alma, terra e céu, etc. O filósofo oferece uma nova visão de mundo, de sociedade sem as amarras do cristianismo.

É bom deixar exposto que Nietzsche não rejeitou a Cristo, apenas possuiu uma ideia diferenciada das narradas até aqui. Para o filósofo tudo é vontade de potência, por isso, além de dizer o evangelho morreu na cruz ressaltando que Cristo era apenas um romântico que desejava mudar o mundo a partir do seu bom coração, destaca outra de suas frases mais revolucionária “Deus está morto”. E até mesmo quando alguém ousou fazer ou propor o contrário em nome de Deus como “Nietzsche está morto”, assinado Deus, acabou por favorecer o pensamento do filósofo, onde tudo é vontade de potência, ou em outras palavras tudo é vontade humana/ fruto da invenção e, ou, criação humana.

O próprio Nietzsche ao descrever sua obra diz:

Este livro destina-se aos homens mais raros... Conheço muito bem as qualidades que devo ter para que alguém me compreenda, aquelas que necessariamente o forçam a compreender-me. Para suportar a minha seriedade e a minha paixão é preciso ser íntegro nas coisas de espírito até as últimas consequências; estar acostumado a viver nas montanhas, a ver abaixo de si o mesquinho charlantanismo atual da política e do egoísmo dos povos”. (p. 37).

O livro que disponho faz parte da coleção “A Obra-Prima de Cada Autor”, um projeto que reúne mais de 300 volumes de autores/as brasileiros/as e de outras nacionalidades, da editora Martin Claret (2000) e foi traduzido por Pietro Nassetti, sendo a 2ª reimpressão.

Minha primeira leitura de O Anticristo foi ainda na universidade em 2009 e a segunda ocorreu em 2014.

Não encontrei essa versão para disponível para download, mas deixo abaixo o link de uma outra versão.


Postar um comentário

0 Comentários