Discurso conveniente adaptado da meritocracia responsabiliza indivíduos por pobreza, por Karla Alves


Karla Alves é historiadora e colunista do Blog Negro Nicolau. (FOTO/ Reprodução/ Facebook).

Muito conveniente esse discurso adaptado da meritocracia espiritual que responsabiliza ao indivíduo pela escassez de recursos em sua própria vida, como se o morador de rua fosse o único responsável pela miséria que atraiu para si através da energia quântica que emana. Digo "conveniente" porque isenta quaisquer práticas políticas de sua responsabilidade social disfarçando o jogo de poder que envolve causa e consequência, como se privilégios sociais não existissem e não houvesse uma estrutura hierárquica de distribuição desses privilégios.

Aí quem goza dos privilégios pode desfrutar sem receio algum já que o pobre é o culpado por sua miséria econômica, assim como, de acordo com esse pensamento da luz artificialmente divina, a população negra é responsável pelo racismo, @ gay pela homofobia, e toda vítima de injustiças sociais seria responsabilizada pela opressão que sofre.

A história social nos mostra como uma teoria biológica (darwinismo) foi usurpada e adaptada para o campo da sociologia (darwinismo social) para justificar o racismo através do discurso revestido de uma suposta cientificidade, criando categorias classificatórias com base no fenótipo (características físicas, como tamanho do crânio, cor da pele, etc) para identificar criminosos bem como identificar qual o estágio de determinada cultura na linha evolutiva civilizatória. 

Com base nessa hierarquia racial, diversas culturas foram subjugadas a condições de inferioridade devido ao seu aspecto primitivo para que, assim, a cultura considerada (pela própria atribuição de seus representantes) evoluída, desenvolvida, erudita, pudesse ocupar um lugar superior predominando sobre as demais que deveriam nela se espelhar para alcançar o progresso. Assim o idioma oficial de uma nação é escolhido, bem como os símbolos que compõem a história oficial, a religião que manipula a ideologia predominante, enquanto as demais resistem nos esconderijos marginalizados da sociedade.

Essa é uma demonstração de como pode funcionar a adaptação de um pensamento científico para o campo social. Daí os racialmente privilegiados se aproveitaram por muito tempo do discurso da meritocracia para justificar sua posição social dentro do sistema capitalista, onde, segundo eles, tudo dependia do próprio esforço para se alcançar o sucesso. Então eu me recordo que certa vez ouvi uma professora universitária dita de esquerda dizer que sua avó lia os livros de Jose de Alencar e outros autores canônicos para ela dormir. Naquele momento olhei para uma amiga preta ao meu lado e perguntei para ela se a avó dela sabia ler, porque a minha era analfabeta. E como nós tivemos que adequar tempo, trabalho, tarefas domésticas e estudos disponíveis aos não disponíveis (como leitura de livros obrigatórios ao vestibular) para conseguir ingressar no ensino "superior" que só nos inferiorizava.

Se eu tivesse escolhido Física ao invés do curso de História talvez tivesse sido diferente. Mesmo assim aquela professora resistia em aceitar os fatos sobre a funcionalidade dos privilégios para o sucesso. 

Agora que essa forma de meritocracia foi denunciada e condenada, chega essa outra baseada na carga espiritual, onde o sucesso depende da energia quântica holisticamente emanada para atrair só o que for lindo e bom ou transmutar miraculosamente a miséria em riqueza porque, afinal, todo rico é bom, limpo e belo e herdarão o reino dos céus. Não, pera, acho que não foi bem assim... De qualquer forma, a romantização da pobreza é o outro lado dessa fantasia que acomoda bem cada tipo social no seu "lugar de fala". Não cabe todo mundo no topo da pirâmide. É necessário muita subjetividade encarcerada no discurso identitário para sustentar na base os que desfrutam do topo.
______________________
Karla Alves é Historiadora pela Universidade Regional do Cariri (URCA), integrante do Grupo de Mulheres Negras do Cariri Pretas Simoa e colunista do Blog Negro Nicolau.

Postar um comentário

0 Comentários