Carta da mãe Terra, por Fátima Teles


Fátima Teles é escritora, poeta, professora e colunista do Blog Negro Nicolau. (FOTO/ Reprodução/ Facebook).


Foram anos de amor entre o universo e o divino, a luz que governa tudo e todos os seres. Eu já fui uma poeira cósmica, posteriormente transformei-me em gosma, porque como dizia Lavoisier "na natureza, nada se perde, tudo se transforma". A cada bilhão de ano mais transformações ocorriam, até eu chegar a ser o planeta azul.

Nasci rica em terra e água. Deram- me o nome de Terra. Sou o terceiro filho nessa Via - Láctea. Existem outras tantas e muitas vidas espalhadas no infinito. Há muitas moradas na casa de meu pai , afirmou Jesus Cristo, o nosso irmão maior e co criador do nosso sistema solar.

Foi lindo o processo de minha criação. Cada reino que nascia ia complementando a beleza da minha paisagem. Tinha tudo e ainda hoje tem. Não faltava nada. Tudo dava para suprir as necessidades de todos os seres como ainda hoje dá.

Dei- te água para matar a tua sede. Dei- te o ar para poderes respirar e viver. Dei- te árvores cheias de frutos e frutas para te alimentares.

Dei- te os recursos precisos para te vestires e dei-te a companhia dos animais que serviriam para o trabalho sem que fosse forçoso a exploração e o subjugo.

Confundiste tudo. Te Tornaste Deus ou semideus. Passaste a decidir o destino dos teus semelhantes, usaste a tua inteligência para manipular os que tu julga menos inteligentes, os ingênuos, controlar as massas. Utilizas tua força contra crianças e pratica atos de crueldade contra os animais e a natureza. Ainda trata teus semelhantes como inimigos quando eles não te favorecem aos teus interesses.

Consomes sem freios...crias necessidades...

Poluís o ar, os rios, às ruas, o mar...

Desequilibras o meio ambiente.

Adoeceste a mim!

Estou exausta.

Sinto necessidade de expurgar todo o mal para poder me curar.

Olhas em minha volta. Só nesse pouco tempo em que estou distante de ti,sem tuas agressões, estou me refazendo. Já sinto- me renovada.

O Himalaia está limpo, o céu mais claro, as águas límpidas e as tartarugas procriando e passeando na areia do mar.

Tu precisas entender que não é Deus. Tu sabes bem que nunca conseguiste controlar um vulcão quando ele quer vomitar o que já não pode ser mais tolerado. Tu nem consegues controlar um vírus que te deixas sem o oxigênio,fonte de vida ou sobrevivência.

Suportei tuas violências com resiliência, silenciosamente,mas adoeci.

E agora tu sentes vontade de chorar,podes chorar. Choras e depois ergue- te no trabalho do bem e silenciosamente encoraja- te para suportares as dores. Na natureza para cada ação há uma reação. Estou me renovando. É da lei! Vem comigo ao trabalho!

Eu te amo!

Terra.
_________________________
Fátima Teles é colunista do Blog, poeta, escritora com cerca de 5 obras, professora formadora com atuação na Secretaria Municipal de Educação de Brejo Santo, membra da Academia de Letras do Brasil/Seccção Ceará, do Instituto Cultural do Cariri (ICC), do Instituto Cultural do Vale Caririense ICVC e da Academia Internacional da União Cultural.

Postar um comentário

0 Comentários