Aos meus colegas professores, sejam universitários ou do educação básica, por Darlan Reis Jr


Darlan Reis Jr. (FOTO/ Reprodução/ Facebook).

Penso que nós que sempre fomos desvalorizados, atacados, muitas vezes reprimidos pelos governos e "gestores" da Educação, que no máximo vem com aquelas frases vazias no "dia dos professores", pois bem, penso que nós deveríamos ser mais respeitosos com a nossa própria trajetória.

Estamos vivendo uma pandemia que escancarou as vísceras da desigualdade social no Brasil. Dezenas de milhões não tem acesso à água encanada, milhões não tem saneamento básico, famílias vivem amontoadas em habitações precárias.

E algumas redes de ensino querem por que querem garantir uma "normalidade" escolar? Querem discutir tecnicalidades pedagógicas? Naquele velho padrão autoritário, verticalizado, hierárquico de sempre?

Nada será como antes. Mas o que cabe à nossa categoria, tão sofrida, tão explorada e desvalorizada fazer?

Acatar tudo em silêncio e correr para atender às exigências, muitas vezes absurdas desses "gestores" da Educação? Desses que muitas vezes tem origem na sala de aula, mas há muito tempo não encaram uma aula para ministrar, mas sempre vêm com suas planilhas, tabelas, exigências, reuniões "pedagógicas", silenciamentos?

Qual é o nosso verdadeiro papel numa sociedade conflagrada pela pobreza, desigualdade e agora por uma pandemia? Como seremos retratados no futuro, se aceitarmos tudo como "gado", expressão que é utilizada hoje em dia para indicar os seguidores de Bolsonaro?

Na minha opinião esse momento seria para reforçarmos nossos sindicatos, federações, confederações e nos prepararmos para, assim que pudermos sair de casa, irmos às ruas. Sim, nós professores e professoras de todo o país, irmos às ruas para exigirmos uma mudança profunda na Educação! Se preciso, com uma greve geral da Educação, unificando docentes de todos os níveis.

Não é possível que entremos para a História como aqueles que sacrificaram a educação de milhões ao aderir às "soluções" falaciosas dos "gestores" que estão empurrando ensino "online" apenas para garantir "dias letivos".

Peço que reflitamos juntos, apesar de ter a consciência que provavelmente sou apenas um que pensa assim.
_______________________
Darlan Reis Jr é professor Associado da Universidade Regional do Cariri, Departamento de História. Doutor em História Social pela Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Social, atuando principalmente nos seguintes temas: mundos do trabalho, história agrária, lutas sociais, escravidão, pobreza, direitos de propriedade, trabalhadores e suas resistências. Líder do Núcleo de Estudos em História Social e Ambiente - NEHSA, grupo de pesquisa cadastrado no CNPq. Coordenador do Centro de Documentação do Cariri (CEDOCC). Coordenador do Curso de Graduação em História - manhã. Desde junho de 2017 é pesquisador vinculado ao INCT-PROPRIETAS. É Mestre em História Social pela Universidade Severino Sombra e Graduado em História pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Volta Redonda - UGB (1994).

Postar um comentário

1 Comentários

  1. O doutor Darlan é muito estudioso. Porém escreve um texto para falar a ouvidos mocos. Até mesmo os movimentos mais aguerridos fazem uma trégua num momento que o foco é sair da pandemia. Pior, com todas as vênias aborda de forma totalmente desconectada da realidade. Escancara como o distanciamento da Universidade do chão da sala de aula. Embora fora de combate, a educação como um serviço, mostra-se mais essencial do que muitos pensava muitos anos. A julgar por achar que a professora de poucas qualificações não educa. Muitas são como verdadeiras mães. A educação chama ao serviço pessoas que entende o que é gente, e como gente cria personalidade. A escola, as vezes, é o único lugar que muitos tem para alimentar o corpo e também a alma.
    O educador que se preze não vai deixar de dar o suporte possível aos seus alunos. Independente de ter que repor dias letivos, total ou parcial.
    Enumero dez argumentos que defendi numa pesquisa da União dos Cosnelhos Municipais de educação do Estado e eles publicaram na íntegra em seu documento:
    1. Mantem os alunos e as famílias de qualquer forma mobilizados e
    engajados em torno das discussões atuais;
    2. O permanente contato de seus professores pode mantê-los numa
    sintonia fina entre o crescimento intelectual e os descaminhos
    típicos;
    3. A educação pode ajudar na disseminação de boas práticas
    informativas de enfrentamento ao covid-19;
    4. Pode criar uma ociosidade positiva diminuindo os impactos de
    conflito domiciliar;
    5. Minimiza os danos sociais e econômicos, pois preserva o
    emprego de militares profissionais da educação;
    6. Mantem as Redes de ensino na retaguarda de apoio as outras
    secretarias no amparo das famílias;
    7. Na hipótese de (Não ficar mobilizada) a educação vai criar grande
    insegurança jurídica entre sindicatos e prefeitura, com recesso,
    ferias compulsórias e demissões;
    8. Grande desarrumação nos quadros de pessoal no retorno
    podendo prolongar as percas dos alunos.
    9. Chance (quase) perfeita para políticas públicas destravar as
    políticas de apoio as TI e redução da cultura do analfabetismo
    digital tão brutal no meio docente;
    10. Uma forma de não largar(negar) suporte as redes de ensino,
    ainda em meio a uma calamidade global, mesmo podendo contar
    apenas o monitoramento da família as dependências de
    atendimento sejam a própria casa deles.

    ResponderExcluir

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!