Microfísica do Poder – obra de Michel Foucault


Nicolau Neto com exemplar do livro Microfísica do Poder. 


A obra Microfísica do Poder se configura com uma coleção de vários artigos, entrevistas, debates e cursos, do filósofo francês Michel Foucault na década de 70 do século passado, e organizado pelo filósofo e professor titular do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

No livro, Foucault se debruça e analisa o poder e como seus mecanismos se apresentam nas sociedades modernas e os relaciona com a medicina, psiquiatria, economia, geografia e as diversos espaços sociais – hospital, prisão -, mas também a justiça, ao Estado, a sexualidade e ao intelectual, etc.

São textos que demonstram o método criado por Foucault, a genealogia em que ele se propõe a explicar como e por que os saberes se assentam através de práticas econômicas e políticas. Nesta obra, o filósofo francês apresenta a noção de poder em que refuta a ideia de constatar a relação exclusiva entre aparelho de estatal e o poder. Para ele, não há que se falar em poder, mas em relação de poderes, ou “rede de poderes” que se espalha por toda a sociedade. Poder, então, não se verifica apenas por uma única via. Sendo assim, poder além de ser repressivo, é também normalizador e disciplinador.

Roberto Machado explica que o sucesso de microfísica se dá por que o que Foucault destacou nem o poder é total, nem o saber é unilateral e nos ensinou que onde há poder e saber há resistência. Portanto, o filósofo francês procurou contribuir para, talvez, o maior desafio que ainda hoje enfrentamos, diz Machado e que eu reverbero – “produzir conhecimentos capazes de se insurgirem contra a dominação burguesa que os próprios saberes sobre o homem ajudariam a criar e a aperfeiçoar”.

O livro foi um dos que li ainda no curso de História e foi inclusive um dos autores que dentro da universidade me inspirou a escrever artigos. “Nada mudará a sociedade se os mecanismos de poder que funcionam fora, abaixo e ao lado dos aparelhos de Estado a um nível muito mais elementar, cotidiano, não forem modificados”, escreveu Foucault.


Postar um comentário

0 Comentários