Raízes do Brasil – obra de Sérgio Buarque de Holanda


Beatriz Rodrigues com o exemplar do livro Raízes do Brasil. (FOTO/ Nicolau Neto).


Antonio Candido, autor do prefácio de Raízes do Brasil, escrita por Sérgio Buarque de Holanda, a considera como um “clássico de nascença” ao inscrever-se como uma fundadora do que se chama moderna historiografia e ciências sociais brasileira. É sabido que a obra em análise para esta nova série deste Blog passou por sucessivas revisões e a de 1936 (ano da primeira edição) é diferente das edições posteriores. A que disponho é a 26ª edição datada de 1995.

Mas para além das críticas construtivas comum a todos os livros, mas de forma especial a esta por se tratar quer que se queira ou não de um “clássico” da historiografia brasileira, pode-se dizer que Raízes do Brasil se propõe a analisar os processos históricos que contribuíram negativa e positivamente (este bem menos) para a formação do Brasil e ao discorrer sobre o que o autor chama de o “homem cordial” de forma “exacerbada” e de certa maneira trabalha os sofrimentos causados a sociedade brasileira em diversos aspectos – políticos, sociocultural e econômicos e também a falta de capacidade de separação daquilo que é público do que é privado.

Quaisquer que sejam as análises das renovações historiográficas que visem abordar as questões trabalhadas nesta obra irão tê-la como suporte documental/bibliográfico, pois trata-se de um ensaio que corrobora que pensemos em como o Brasil foi desenhado e que esse desenho possui sobremaneira nas inúmeras desigualdades que marca esse país e que contribui nos dizeres de João Cezar de Castro Rocha pata que a gente seja ainda hoje um desterrado na própria terra.

Tanto o objeto de estudo proposto por Sérgio Buarque de Holanda em Raízes do Brasil quanto as críticas a ela feitas ao longo de mais desses 84 anos não tem a pretensão de esgotar as discussões e nem poderá.

O livro que disponho foi editado em 1995 pela Companhia das Letras. É prefaciado por Antônio Cândido e tem posfácio de Evaldo Cabral de Melo. Conclui sua leitura ainda dentro da Universidade Regional do Cariri em 2009.

Sérgio Buarque de Holanda foi considerado um dos mais influentes historiadores do Brasil, tendo lecionado em várias escolas superiores, além de ter sido catedrático de História da Civilização Brasileira na Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo (USP) em 1956 e faleceu em 1982.

Não encontrei o livro disponível para download, mas recomendo a leitura para quem desejar adquiri-lo.

Postar um comentário

0 Comentários