PSTU lança candidatura de Vera Lúcia à presidência em chapa de mulheres negra e indígena

 

Vera Lúcia começou a atuar de forma intensa no movimento sindical aos 21 anos, em Aracaju (SE) / Romerito Pontes / Divulgação.

Estatização das grandes empresas brasileiras, incluindo as ligadas ao agronegócio, à mineração e à indústria de energia. Taxação das fortunas e dos lucros de bilionários, além da revogação das reformas trabalhista, da previdência e do teto de gastos. Construção de seis milhões de casas a partir do fim da isenção de impostos a grandes empresas. Redução da jornada de trabalho para seis horas diárias e aumento do salário mínimo para o dobro do que é hoje. Descriminalização das drogas e o fim das polícias atuais. Demarcação das terras indígenas.

Essas são algumas das propostas do programa de governo de Vera Lúcia, que neste domingo (31) oficializa sua candidatura à presidência do Brasil, pelo Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU). A convenção do PSTU acontece a partir das 14h30 na sede do Sindicato dos Metroviários de São Paulo, no bairro do Tatuapé.

A chapa da única mulher negra pleiteando a presidência do país tem, como vice, uma indígena do povo Tremembé. Kunã Yporã, também conhecida como Raquel Tremembé, tem 39 anos, é uma pedagoga maranhense. 

Kunã Yporã também integra a Associação de Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (Anmiga) / Divulgação.

Já Vera Lúcia tem 54 anos, é sapateira e cientista social e, apesar de morar em São Paulo há quatro anos, viveu praticamente toda a vida no Nordeste. Nasceu na caatinga do sertão pernambucano, numa família pobre de produtores, no pé da serra do município de Inajá. E cresceu na periferia de Aracaju (SE). Mais velha de 10 irmãos – sete ainda vivos – Vera desde criança se encarregou dos cuidados com a casa e as crianças. 

Aos 14 anos começou a trabalhar fora de casa, mas foi aos 19 que conseguiu um emprego numa fábrica de calçados e teve contato com o ativismo e o movimento sindical. O ano era 1989 e ela, então, se filiou ao Partido dos Trabalhadores (PT). Dois anos depois, ela ajudou a criar um sindicato – do qual seria dirigente – juntando as categorias de coureiros, sapateiros e têxteis de Sergipe. 

Em 1992, quando a Convergência Socialista, um grupo trotskista, foi expulsa do PT em meio a divergências sobre a mobilização pelo impeachment de Collor, Vera também saiu. Ela fundou, junto com esse e outros setores, o PSTU. Integrou a direção executiva da Central Única dos Trabalhadores (CUT) até 2005, quando se desvinculou para formar a Central Sindical e Popular Conlutas, da qual o PSTU é força majoritária. "E estou aqui até agora", resume.

Em entrevista ao Brasil de Fato, Vera explica os pontos centrais do projeto que propõe para o país. Segundo ela, são caminhos que visam "reverter a lógica do capitalismo".

Clique aqui e confira integra da entrevista.

Postar um comentário

0 Comentários