Museu Histórico do Crato ainda sem reforma e fechado para visitas

 

Museu Histórico do Crato. (FOTO/ Professor Nicolau Neto).

Por Nicolau Neto, editor

Um prédio secular que já abrigou a Casa de Câmara e de Cadeia do município de Crato, na região do cariri, nos anos finais do período colonial brasileiro, hoje é o Museu Histórico.

Boa parte da História do Crato, do Cariri e do Estado do Ceará está assentada nesse prédio, tanto que é um dos poucos do cariri a ser tombado (se não for o único) - mesmo que não permanentemente ainda – pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A nível local e de Estado, o prédio é tombado a partir da Fundação Cultural José Alves de Figueiredo.

Se essas documentações que permitem lhe assegurar um lugar de relevância enquanto patrimônio histórico e cultural do Estado do Ceará estão bem encaminhadas, falta ainda outro passo de extrema importância. O prédio com mais de dois séculos necessita urgentemente de reformas. Algumas, como melhoramento do telhado e manutenção na parte dos acervos foram feitas.

Em setembro de 2021 foi veiculado no site oficial da prefeitura que havia sido publicado edital de licitação para contratação dos serviços de engenharia para reforma do prédio que abriga hoje também o Museu de Artes Vicente Leite. Isso seria feito mediante contrato de repasse celebrado entre o Ministério do Turismo/Caixa Econômica Federal e o Município de Crato.

Este editor esteve hoje em Crato e registrou o prédio. O Secretário Municipal de Cultura, o ex-vereador Amadeu de Freitas, foi contactado e respondeu que o museu continua fechado para visitas. E ratificou as informações descritas acima ao destacar que “a prefeitura do Crato tenta licitar a reforma desde o ano passado, sem conseguir empresa interessada.”

O Secretário afirmou ainda que está “empenhado para realizar a reforma” visando a reabertura dos dois museus.”

A estrutura do prédio é riquíssima e possui, desde a época em que abrigou a cadeia pública, construções no formato de cunha apoiadas sobre papilares/colunas com a finalidade de prender aqueles considerados “mais perigosos”.

O local tem objetos que remontam aos habitantes indígenas Kariris, tais como machados, urna funerária, mãos de pilão, armamentos para corte, dentre outros que foram encontrados durante o processo da reforma da Praça da Sé que precisou ser escavada. Outros documentos que contam parte da História do Cangaço  podem ser vistos por lá.

Localizado na Rua Senador Pompeu, no entorno da Praça da Sé, o Museu está com suas estruturas bem comprometidas, o que explica está fechado para visitas. É preciso um trabalho em equipe envolvendo profissionais de várias áreas para que o processo de restauração deste importante espaço da memória e da História cearense não seja destruído. As aulas de História do Cariri, principalmente, precisam dele.

Postar um comentário

0 Comentários