Ficar em casa evita que as pessoas morram ou pegue o coronavirus, diz Yasmin Vieira


(FOTO/ Reprodução/ Puramente ilustrativa).

A professora Josyanne Gomes resolver publicar em sua coluna neste Blog textos escritos por suas alunas e alunos da Escola 18 de Dezembro, uma das três instituições que funciona em tempo integral em Altaneira. Ao Blog, Josyanne destacou que “as produções textuais desses jovens escritores surgiram no âmbito do componente curricular: Produção Textual”.

Ela afirmou que como professora de produção textual do 9° ano D pensou em incentivar a produção escrita para que os estudantes relatassem essa experiência de pandemia que estamos vivendo.

Com isto, é com muito orgulho e animação que apresento para os leitores deste blog reflexões de jovens estudantes sobre os efeitos do isolamento social”, escreveu a professora e colunista.

O primeiro texto é de Yasmin Vieira De Sousa. Vamos a ele:

Atualmente estamos passando por um isolamento social no mundo, por conta do novo vírus COVID-19, que chegou entre todos nós trazendo milhares de pessoas á morte.  O isolamento social é um comportamento em que as pessoas tendem a ficar “presos” dentro de casa para não ser mais uma das vítimas que estejam com a doença. Devido a isso a nossa rotina de antigamente, ir para a escola, para a igreja e etc. passou a funcionar de modo diferente do qual estávamos habituados, como por exemplo se afastando das pessoas ao nosso redor.

Por este motivo, de se isolar em casa, entre nós vários efeitos positivos e negativos estão surgindo, os quais os efeitos negativos são: Muitas pessoas nessa quarentena acabam ficando traumatizadas (os), pois sempre pensam em coisas do passado, como na família, no que faziam antigamente de bom na vida e acham que possivelmente não podem mais fazer as mesmas coisas.

Coisas que deixavam felizes, hoje podem ser tomadas por pensamentos sempre ruins que te fazem a gente se sentir triste e que nos deixam sempre pra baixo de todos e de tudo. Cada vez mais, pessoas entram em depressão por questões de não conviver com as pessoas em que eram acostumados a ver, a compartilhar assuntos da vida e também com o resto da sociedade.

Assim, vamos deixando de perceber nas pessoas que aquele indivíduo que está preso sempre á coisas negativas passam a ter uma visão psicológica totalmente diferente, tornando-se assim cada vez mais vicioso.  A rotina nova acaba com a autoestima deste indivíduo, ele fica apegado sempre em coisas do passado, ficando ansioso.

Por outro lado, temos também pontos positivos, como exemplos: Muitas pessoas estão tendo o momento mais familiar, temos a internet e os meios digitais para se comunicar com amigos, familiares que vivem longe, podemos ver filmes, alguns aplicativos gratuitamente. Sabemos que antes não era desse modo, muita gente aproveitava o tempo fazendo coisas que podiam ajudar dentro de casa, como ajudando as suas mães nos afazeres de casa.

Outros criam projetos pessoais que desejam e profissionais, professores estão tendo acesso com os seus alunos online ou em plataformas digitais, temos o maior tempo do mundo para separar a nova vida diária. Muitos de nós temos mais tempo na leitura, estamos tendo muito tempo para cuidarmos de nossas vidas separando coisa por coisa.

Assim, ficando todos em casa estamos freando mais a curva de crescimento de casos do vírus e evitando que um grande número de pessoas fique infectada ao mesmo tempo. Estamos também evitando que sobrecarregue os sistemas de saúde, além de ajudar milhares de pessoas, evitando que elas morram ou peguem o vírus, estamos fazendo também com que minimize a doença no mundo para que logo volte tudo ao normal e que possamos voltar a nossa vida de antes.

Mais afinal como combater o Isolamento Social? Simples e fácil, faça coisas que são agradáveis para si próprio e que te façam pensar de que absolutamente não estamos em um momento difícil, mais sim que isso irá acabar logo e que te faça feliz, fique em casa e faça a sua parte, não se esquecendo que unidos somos mais fortes!

Yasmin Vieira De Sousa é estudante do 9° Ano "D" da Escola 18 de Dezembro, em Altaneira.


Postar um comentário

0 Comentários