Enquanto o mundo está atento a combater a COVID-19, alguns brasileiros a ignora, por Thayna Macedo


(FOTO/ Divulgação/Alass).

A professora Josyanne Gomes resolver publicar em sua coluna neste Blog textos escritos por suas alunas e alunos da Escola 18 de Dezembro, uma das três instituições que funciona em tempo integral em Altaneira. Ao Blog, Josyanne destacou que “as produções textuais desses jovens escritores surgiram no âmbito do componente curricular: Produção Textual”.

Ela afirmou que como professora de produção textual do 9° ano D pensou em incentivar a produção escrita para que os estudantes relatassem essa experiência de pandemia que estamos vivendo.

Com isto, é com muito orgulho e animação que apresento para os leitores deste blog reflexões de jovens estudantes sobre os efeitos do isolamento social”, escreveu a professora e colunista.

O terceiro texto é de Thayna Macedo. Vamos a ele:

O Brasil e o mundo estão enfrentando uma luta não só contra a COVID-19, mas também contra os seguidores do atual presidente. Pessoas que estão a criar manifestações contra o isolamento social; manifestações a favor do funcionamento de lojas, escolas e igrejas; e, por vezes, criando represálias contra pessoas que seguem as medidas de enfrentamento à COVID-19. Enquanto o mundo está atento a combater a COVID-19, alguns brasileiros estão lutando para ignorará-la. Quantas mortes serão necessárias para que essa parcela da população acredite na gravidade da COVID-19?

Grandes epidemias e doenças sempre marcaram a história humana. Subitamente, diferentes sociedades, ao longo do tempo, foram colocadas sob situação de pânico e estresse quando uma doença desconhecida (ou até mesmo conhecida, mas que não havia cura) manifestou-se e levou milhares à morte.

Durante a Idade Média, também aconteceram epidemias e pandemias, e a Peste Negra é um dos casos mais conhecidos. Essa pandemia aconteceu em um surto que se estendeu de 1347 a 1353, e resultou na morte de até 50 milhões de pessoas. O termo Peste Negra foi dado para um surto de peste bubônica. A Gripe Espanhola foi também uma pandemia que aconteceu, por conta de uma mutação do vírus Influenza, entre 1918 e 1919.

Aqui no Brasil, por exemplo, o número de mortos confirmados pela gripe espanhola foi de 35 mil pessoas, e os Estados Unidos, um dos prováveis locais de surgimento da doença, registraram cerca de 675 mil mortos. Ao todo, morreram, pelo menos, 50 milhões de pessoas no mundo, das quais, cerca de 20 milhões estavam na Índia.

Thayna Macedo é estudante do 9° Ano "D" da Escola 18 de Dezembro, em Altaneira.

Clique aqui e confira o segundo texto.

Postar um comentário

0 Comentários