"A escravidão mudou do chicote para a caneta", diz deputada Benedita da Silva


Escravizados (incluindo seus filhos) reunidos em uma fazenda de café no Brasil, c. 1885.
 (FOTO/ Marc Ferrez).


Preta e nascida na favela carioca, de pai pedreiro e mãe lavadeira, a deputada federal Benedita da Silva (PT), diz, aos 78 anos, que nunca sentiu medo pela sua raça como nos dias de hoje. E decreta que o 13 de maio, data em que a princesa Isabel assinou a abolição da escravatura, não se celebra: "O extermínio da população negra continua". Evangélica e mãe de dois, Benedita diz que ora todos os dias para que esse quadro não piore já que, na avaliação dela, o Brasil vive "um retrocesso inigualável", com "gestores machistas" e "governantes e executivos que querem que a gente morra".

Benedita foi a primeira mulher negra em muitos locais de destaque: na Câmara dos Vereadores do Rio, onde chegou em 1982 sob o slogan "negra, mulher e favelada"; no Senado, em 1994, e no governo do Rio (2002- 2003), quando substituiu Anthony Garotinho, que se afastou para concorrer à presidência. "Somos ainda poucas mulheres lutando como um lobo contra o canhão", ela diz:

"No dia em que Marielle [Franco, vereadora carioca assassinada em 2018] morreu, ela falava que a primeira vereadora negra, da favela, fui eu e que levou 10 anos para outra entrar, a Jurema Batista. E dizia: 'Agora estou aqui, precisamos mudar essa história'. Fico arrepiada porque é meu sonho ver a mulherada preta ocupando esses espaços. Está faltando oportunidade."

Benedita afirma que não se vê representada pela Ministra Damares Alves, da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, porque com "esse governo não tem diálogo". E diz ainda porque não pretende se candidatar à Prefeitura do Rio. "Quero votar no [Marcelo] Freixo e tentar unir a esquerda novamente."

De luto pela morte de um sobrinho, vítima do novo coronavírus, a deputada diz que a atitude do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de ir ao STF (Supremo Tribunal Federal) no último dia 7 pedir para flexibilizar o isolamento é "para matar os pobres", e fala que tem aproveitado o tempo em quarentena para estudo bíblico e aula de inglês online.

______________________________________

As informações são do CEERT. Clique aqui e veja abaixo os principais trechos.

Postar um comentário

0 Comentários