Escola afro-brasileira abre inscrições para curso em educação étnica e racial

 

(FOTO | Divulgação).

A Escolinha Maria Felipa abre inscrições para curso em educação étnica e racial. Na sua sexta edição, a instituição afro-brasileira quer impulsionar uma educação sob óticas africanas e indígenas. Com programação agendada para os dias 28, 29 e 30 de junho, às temáticas serão abordadas via plataforma digital das 19h às 21h, respectivamente.  As inscrições vão até o próximo dia 26 de junho.

A instituição - que carrega o nome de um ícone para a independência da Bahia - realiza a atividade desde 2019. Além de trocas, partilhas, quanto aos conhecimentos antirracistas, a escola segue com o propósito de levantar recursos financeiros para manutenção neste contexto de pandemia e crise econômica.

Ao todo, três dias dividirão as temáticas da formação. Para a abertura (28), o tema escolhido é “A importância da Literatura Indígena no movimento Indígena”, que será abordado pela professora, escritora e ativista indígena Eliane Potiguara. O curso sucede no dia 29, tratando da “Oralidade e Ancestralidade na Escola'' e será dado pela educadora e professora Vanda Machado. Encerrando, a professora Giselda Perê traça reflexões sobre “A Mitologia Africana na Educação Infantil Escolar”. Detalhes sobre a programação estão disponíveis na página oficial da escola no Instagram. 

Desejamos espalhar pelo Brasil a perspectiva educacional que acreditamos ser a revolução que queremos, uma formação emancipadora, que liberta, sendo equânime, reconhecendo todas as pessoas envolvidas no processo como protagonistas de suas próprias histórias e como pessoas igualmente potentes”, finaliza Bárbara.

O curso terá duração de duas horas diárias e será ministrado totalmente on-line por uma plataforma de vídeo-chamada, o Google Meet. Até o momento, a inscrição está no valor de R$60. Para se inscrever, os interessados deverão acessar o link. De acordo com a assessoria da escola  o curso deve ter presença fixa na grade da escola, como uma especialização que será disponibilizada em breve. 
Fundação da escola 

A escola nasceu em 2019, após Bárbara Carine, idealizadora e consultora pedagógica da instituição, adotar a sua filha e pensar sobre sua educação. No caminho encontrou locais que não valorizam as raízes epistemológicas africanas e ameríndias, bem como a estética e cultura destes povos. Com base em conversa e pesquisa com pesquisadores e ativistas da educação étnico-racial, fundou a escolinha. 

Hoje, a instituição é considerada afrocentrada, afroafetiva, anti-opressiva, que valoriza a diversidade e carrega o nome de uma mulher, uma referência histórica de força, luta e liderança, como compromisso à ancestralidade africana.
____________
Com informações do Alma Preta.

Postar um comentário

0 Comentários