A Copa América de cada cidade

  


Por Alexandre Lucas, Colunista

 

O ato genocida de acolher a Copa América no Brasil demonstra o caráter operante e estratégico do Governo Bolsonaro. A estratégia da morte assumida no discurso de minimização da disseminação da Covid, do negacionismo da ciência e a defesa do mercado em contraposição as vidas tem sido o receituário e a narrativa que tem colocado a população desnorteada, polarizada e morta.


A rápida e não surpreendente sinalização de Bolsonaro para realização do campeonato no Brasil, após rejeitado por outros países, demonstra a sua feição de descaso diante de mais 470 mil mortes. O ato bolsonarista abre brechas para pulverização de um discurso negligente, que esconde o sufocamento do Sistema de Saúde, o atraso da vacinação, precárias condições sanitárias e a incapacidade de minimizar os impactos econômicas na vida da população.   

 

A realização da Copa América endossa a realização de outras Copas pelo Brasil. No país em que o futebol tem hegemonia no imaginário e na prática esportiva a realização de uma competição na proporção da Copa América é um gatilho para mais mortes.  

 

Independente da Copa América, os campos de várzea, as quadras de futsal e as ruas vão sendo ocupadas por essa prática esportiva.  O que deve combatido em tempos em que o distanciamento e o uso de máscaras é uma exigência para salvar vidas.  Jogar bola em tempos de pandemia não é uma brincadeira,  poder ser um ensaio para a morte.

 

Os governos municipais e estaduais têm tido papel essencial no combate a proliferação dos vírus e a redução dos danos, mesmo diante de pressões e flexibilizações. Entretanto, o sinal de alerta deve ser permanente no sentido de garantir as condições sanitárias possíveis, funcionamento das estruturas de saúde e um consistente trabalho educativo. As publicidades governamentais devem se colocar à serviço de orientar as populações para o autocuidado e a vigilância coletiva, o que nem sempre vem acontecendo.

 

Estamos diante do campeonato em que o desafio é manter as covas vazias. Precisamos identificar as Copas que não são das Américas, mas que tem que alto poder de disseminação do vírus e que se espalham em espaços privados e públicos das cidades brasileiras de formas clandestinas e até mesmo com conhecimento e o incentivo dos braços do Estado.

 

O jogo do momento é a prevenção e a derrubada do Governo Bolsonaro! As únicas traves que devemos acertar são as máscaras e os defensores da morte!  A pandemia ainda não acabou, devemos continuar dizendo o óbvio, até que chegue o tempo do corpo suar com samba e futebol.

 

Espero que não esteja acontecendo nenhuma copa em sua cidade. Esse não é o jogo que devemos jogar.

Postar um comentário

0 Comentários