Ernesto tira o corpo fora e culpa Pazuello por problemas na pandemia

 

CPI da Covi ouve o ex-ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. (FOTO/ Jefferson Rudy/ Agência Senado).

O ex-chanceler Ernesto Araújo usou o seu depoimento na CPI da Pandemia, nesta terça (18), para tirar o corpo fora e jogar responsabilidades por decisões equivocadas tomadas durante a pandemia de covid-19 nas costas do Ministério da Saúde, mais especificamente nas do general Eduardo Pazuello. O depoimento do ex-ministro à comissão está sendo ansiosamente aguardado para esta quarta.

Ao ser questionado sobre a razão do Brasil ter optado pela quantidade mínima de doses ao aderir, em setembro de 2020, ao Consórcio Covax Facility, da Organização Mundial de Saúde, o suficiente para atender apenas 10% da população, e desprezado os 50% disponíveis, Ernesto disse que a decisão não foi dele, mas do Ministério da Saúde.

Cobrado pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL) sobre "quem no Ministério da Saúde deu a ordem sobre os 10% e não sobre os 50%", o ex-chanceler respondeu: "Não sei quem deu a ordem, entendo que a decisão do Ministério da Saúde, responsabilidade do ministro da Saúde".

Logo em sua declaração de abertura, Ernesto Araújo disse que a definição das estratégias contra a pandemia foi da pasta da Saúde e atribuiu ao Itamaraty um papel apenas de operador dessas decisões. Sua função seria a de contatar governos e facilitar a compra de equipamentos e medicamentos.

Por exemplo, o ex-chanceler afirmou que a busca por importar cloroquina, remédio sem eficácia contra a covid-19, com graves efeitos colaterais e que tem em Jair Bolsonaro seu mais famoso garoto-propaganda, foi realizada pelo Itamaraty a pedido do Ministério da Saúde.

"Havia expectativa de que houvesse eficácia no uso da cloroquina para tratamento da Covid, não só no Brasil, mas no mundo. Isso baixou precipitadamente o estoque de cloroquina e fomos informados sobre isso pelo Ministério da Saúde. A pedido do ministério, buscamos facilitar a importação de insumos para a produção de cloroquina", afirmou.

Ele também declarou que o Ministério das Relações Exteriores participou de negociações para a aquisição de vacinas desenvolvidas pela Oxford/AstraZeneca e para a adesão ao Covax Facility, mas que a definição dos diálogos em busca de imunizantes também era do Ministério da Saúde.

Bolsonaro tem sido duramente criticado por médicos e cientistas por não ter diversificado a busca por vacinas e evitado fechar mais acordos com laboratórios, o que levou à atual falta de doses no Brasil, estendendo desnecessariamente a duração da pandemia e provocando mais mortes.

_______________

Por Leonardo Sakamoto, em seu blog. Leia a íntegra do texto clicando aqui.

Postar um comentário

0 Comentários