URCA lança nota após denúncia do GRUNEC sobre suposta ausência de controle no sistema de cotas

 

URCA lança nota após denúncia do GRUNEC sobre suposta ausência de controle no sistema de cotas. (FOTO/ Divulgação).

Por Nicolau Neto, editor

No último sábado, 22, o Blog Negro Nicolau veiculou em primeira mão questionamento do Grupo de Valorização Negra do Cariri – GRUNEC sobre suposta ausência de controle administrativo no sistema de cotas da Universidade Regional do Cariri (URCA).

O GRUNEC chegou a encaminhar ofício a esta instituição em que ressaltou que diante de relatos informais de que nunca existiu controle efetivo sobre a verificação dos critérios condicionantes para acesso às referidas, ele (grupo) resolveu formalizar consulta à Universidade para sanar as dúvidas, bem como estimular a adoção de medidas reais e urgentes para o bom funcionamento da política pública de Cotas. O grupo entende que o controle do acesso às Cotas para Negros e Pardos deve ser executado mediante efetivo funcionamento de Comissão de Heteroidentificação, de forma presencial e também online (em tempos de pandemia), conforme experiência já consolidada em diversas universidades brasileiras tais como UNICAMP, UFG, IFRS, UFJF, entre tantas outras.

O que diz a URCA

Em nota publicada no portal Badalo na tarde desta terça-feira, 25, a universidade afirmou segue “envidado todos os esforços institucionais para garantir a implementação do seu sistema de cotas para ingresso e permanência de seus estudantes” e destacou que vem tomando providência desde a criação do sistema de cotas sociais e étnico-raciais que se deu por meio da Resolução nº 01/2017-CONSUNI, de 22 de setembro de 2017.

Diz ainda que “que denúncias enviadas pela Ouvidoria da Instituição seguem o seu processo de investigação, dentro dos marcos legais que regem a matéria” e que “para garantir o acesso e a permanência dos estudantes de graduação e pós-graduação dentro dos marcos legais, as ações estão sendo implementadas com muita responsabilidade e dentro das temporalidades impostas e desafios decorrentes da pandemia da COVID-19”.

Entenda o caso clicando aqui.

Postar um comentário

0 Comentários