Brasil é denunciado na ONU por risco de genocídio indígena


Demarcar terras é uma condição necessária. (FOTO/ Reprodução/CartaCapital).

O Brasil foi denunciado no Conselho de Direitos Humanos da ONU nesta terça-feira 3 pelo “desmonte das políticas ambientais e indigenistas e pelo risco elevado de genocídio de povos indígenas isolados”. A denúncia, feita durante audiência em Genebra, foi apresentada pelo Instituto Socioambiental, pela Conectas Direitos Humanos e Comissão Arns.

O líder Yanomami Davi Kopenawa também participou da sessão, que acabou não sendo realizada no prédio da ONU devido às novas medidas de segurança adotadas em relação ao coronavírus.

Segundo dados apresentados pelas ONGs, o desmatamento na Amazônia foi maior em territórios com a presença de povos indígenas isolados, que são os mais vulneráveis a doenças. Em 2019, a derrubada da floresta nessas terras cresceu 113%. No total de todas as terras indígenas, o aumento foi de 80%.

Os dados do desmatamento se baseiam no Prodes, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), explicou Antonio Oviedo, do Instituto Socioambiental. “O evento teve o foco de denunciar o desmonte das políticas públicas que são relacionadas diretamente à vulnerabilidade dos povos indígenas isolados. Então, a gente apresentou um relatório que traz de forma bastante detalhada todas as ações que o governo executou em 2019 e como essas ações têm aumentado o grau de degradação, de ameaça, de invasões, de violência, e a vulnerabilidade desses povos isolados.”

Situação de grande ameaça

À RFI, Laura Greenhalgh, diretora-executiva da Comissão Arns, disse que durante o evento foi falado, em especial, “da situação dos povos isolados da Amazônia que, com as diretrizes e o discurso do atual governo, se encontram numa situação de grande ameaça”.

Face a todo esse desmantelamento desse aparato institucional que nós conseguimos construir no Brasil e em relação ao discurso do atual governo, que resgata que os índios são pobres, que precisam ganhar dinheiro, que eles são humanos, coisas assim, discursos muito excêntricos e muitas vezes ofensivos, nós viemos à Genebra para falar da situação indígena em geral e para falar da situação dos povos isolados em particular”, ressaltou a representante da Comissão Arns.
___________________________
Com informações de CartaCapital.

Postar um comentário

0 Comentários