Mulheres negras e indígenas ocupam cargos de poder no governo de Edmilson Rodrigues

 

Mulheres negras e indígenas ocupam cargos de poder no governo de Edmilson Rodrigues. (FOTO/ Reprodução/ Alma Preta).

Mesmo sendo uma capital que historicamente recebeu relevante contribuição populações afroindígenas, Belém tem sido administrada, majoritariamente, por homens brancos. As eleiçõe deste ano mudaram um pouco esse cenário e, pela primeira vez, mulheres indígenas e negras ocupam cargos de poder e protagonismo dentro da admistração pública.

Ouvidora Geral do Município, Márcia Kambeba, é primeira indígena a fazer parte do alto escalão da gestão. “Isso representa, sem dúvida, uma maior visibilidade para nós, indígenas, mostrarmos a nossa forma de fazer política. Sobretudo pensando no bem comum e oportunizando que as reivindicações da população sejam ouvidas. Nessa administração do prefeito Edmilson Rodrigues podemos ver a diversidade feminina de gênero, raça e classe social que retrata a pluralidade do nosso povo”, analisa Kambeba.

Nascida no Amazonas, ela é mestre em Geografia, professora convidada da Universidade do Estado do Pará (UEPA), ativista, compositora, poeta, fotógrafa, atriz, palestrante e autora de três livros. “Como mulher indígena e ativista, eu não posso me ausentar da vida política. Porque nós fazemos política todo dia quando lutamos por nossos direitos e o direito de viver na cidade é importante e imprescindível. Ser indígena no Brasil de hoje é resistir a todas as formas de invisibilidade que a sociedade e o Estado nos impõe. Fazer política para nós, indígenas, não é uma opção e sim uma necessidade. Então, pensando o contexto histórico de Belém, ser a primeira indígena no primeiro escalão do Governo Municipal fortalece a nossa luta. Que eu seja a primeira de muitas mulheres e homens indígenas a ocupar cargos de destaque”, pontua.

Da etnia Omágua/Kambeba, Márcia foi a primeira indígena candidata a vereadora de Belém. Ela concorreu nas últimas eleições. Não foi eleita, mas foi convidada a fazer parte da gestão. “Queremos criar um programa de participação com o povo ‘Ouvidoria em Ação’. Para não só ouvir os problemas, mas pensar juntos as soluções. Nesse período de pandemia, não podemos atender presencialmente, mas estamos fazendo por e-mail, telefone e site. Por esses meios podemos receber reclamações, sugestões e até caso o povo tenha elogios também. Meu maior desafio é fazer um bom trabalho de forma que o povo se sinta representado junto ao governo e o governo junto ao povo”, declara a ouvidora.

Servidora de carreira da Secretaria Municipal de Saneamento (Sesan) há 19 anos, Jane Patrícia Gama assumiu a Coordenadoria de Diversidade Sexual (CDS). Ela é a primeira mulher negra, ativista, afro-religiosa e lésbica no espaço. “Desde de muito nova, eu lido com os preconceitos criados pela sociedade, com o preto, a mulher, a relação homoafetiva. Então, desde cedo, aprendi que devo lutar por mim e pela minha gente, já sofri retaliações de todos os lados e de todo tipo de gente. Inclusive do preto que não se aceita, da lésbica que não se reconhece. Então, receber este cargo para mim foi algo gratificante e o fato de ser reconhecida me deu mais força e coragem para buscar melhorias por minhas frentes de luta” desabafa.

Jane é graduada em Línguas Portuguesa e Espanhola e tem especialização em Políticas Públicas de Igualdade Racial pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Ela é ativista dos movimentos negro, afro-religioso e LGBTQI+, membro do coletivo Sapato Preto e Yalorixá de Nanã, filha de Mãe Matilde de Oxalá e também concorreu ao cargo de vereadora das últimas eleições. "Nós sabíamos que essas eleições seriam diferentes, não só pela cota que cada partido teria que ter, mas também porque percebemos essa necessidade de estarmos presentes na esfera política, então quando mulheres se elegem e trabalham para levantar todas as outras é muito gratificante e necessário para que tenhamos igualdade de direitos".

Para Jane, as eleições de 2020 deixaram um saldo muito positivo para a sociedade uma vez que incluiu novas perpectivas no poder. "Acredito que, com essas eleições, uma parte de mulheres, negras e LGBTQI’s ganharam a notoriedade para lutar por melhorias, por nossas vidas porque ainda somos mortos pelas nossas ideologias, orientações sexuais, pela nossa cor e pelo simples fato de sermos mulheres. E, inclusive, essas pessoas que ocupam esses cargos na esfera política serão muito mais cobradas e criticadas se cometerem qualquer erro. Justamente, por serem mulher, preta e LGBTQI’s” analisa.

A Secretaria de Saneamento também experimenta uma titularidade diversa. Ivanise Gasparim (na foto principal) é a primeira negra na cadeira. Ela é graduada em Direito e Psicanálise, já foi vereadora de Belém. Ivanise acumula experiências como secretária estadual de Trabalho, Emprego e Renda e secretária municipal de Economia. Além disso, foi secretária adjunta de Planejamento em São Luís, coordenadora do projeto de combate à pobreza rural do Instituto Interamericano de Combate à Pobreza, em Brasília e atuou na Secretaria Nacional de Reordenamento Agrário.

__________

Por  Flávia Ribeiro, no Alma Preta.

Postar um comentário

0 Comentários