Queimar a cultura para destruir o Brasil, por Benedita da Silva

 

Benedita da Silva. (FOTO/ Gustavo Bezerra).

O cinema brasileiro está de luto. Um incêndio atingiu o galpão onde estava a Cinemateca Brasileira, o maior acervo audiovisual da América Latina.

A extensão dos prejuízos ainda será avaliada, mas o fogo queimou a memória audiovisual brasileira, representando 100 anos de história do cinema nacional, com mais de 250 mil rolos de filmes.

Inimigo declarado da cultura, Bolsonaro não renovou o contrato de administração da Cinemateca, terminado em dezembro de 2019 e ainda demitiu todos os seus profissionais técnicos em agosto do ano passado. Também recusou ajuda da Prefeitura e do governo de São Paulo.

Deixou largado num galpão, com risco de incêndio, falta de vigilância, contas de luz, de água e salários atrasados, nosso precioso acervo audiovisual. Maior imagem de abandono, não há!

Assim, do mesmo modo como o incêndio do Museu Nacional em setembro de 2018, o incêndio da Cinemateca Brasileira não foi um acidente, mas um crime e, como vimos, um crime premeditado, cujos responsáveis maiores são Bolsonaro e seu Secretário Especial de Cultura, Mário Frias.

A destruição da memória e da cultura nacional não são atos isolados, mas parte de uma destruição maior, do desmonte dos direitos sociais, do Estado e da economia nacional, uma destruição começada pelo governo golpista de Temer, logo em seguida ao impeachment contra a presidenta Dilma.

Mas esse desmonte do Brasil não foi somente acelerado, mas atingiu requintes de crueldade no governo do neofascista Bolsonaro, quando a sua política genocida levou à morte por Covid mais de 555 mil pessoas.

O objetivo de Bolsonaro é reduzir o Brasil, de nação independente, ao um território de exploração do agronegócio e um “quintal” obediente à geopolítica norte-americana.

Contudo, a destruição de uma Nação e de um povo só se completa se a sua cultura e memória histórica forem também destruídas. E é isso o que Bolsonaro faz e manda fazer na política cultural, com a volta da censura, ao abandonar a maioria da classe artística durante a pandemia e no desmonte das instituições culturais, inclusive daquela criada para preservar a cultura e a memória do povo negro, que é a Fundação Cultural Palmares.

A defesa da nossa memória histórica, de nossa cultura, bem como do acesso democrático a todas as suas manifestações, expressa o interesse maior do povo brasileiro e por isso é parte vital da sua luta mais geral contra a barbárie bolsonarista.

___________

Texto publicado em sua Coluna no Brasil 247.

Benedita é Deputada federal pelo PT-RJ, ex-governadora do Rio de Janeiro e primeira senadora negra do Brasil.

Postar um comentário

0 Comentários