Mostrando postagens com marcador eemti padre luís filgueiras. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador eemti padre luís filgueiras. Mostrar todas as postagens

VII Sarau da EEMTI Pe. Luís Filgueiras trabalha equidade de gênero e proteção às mulheres a partir da arte

 

Maria Djhenniffer, do 2º Ano C, interpretando Benigna Cardoso. FOTO | Kauã Sales (3º Ano A).

Por Nicolau Neto, editor

A Escola de Ensino Médio em Tempo Integral Padre Luís Filgueiras, em Nova Olinda-CE, realizou nesta sexta-feira, 14 de junho, a 7ª edição do Sarau Literário. A ação se desenvolveu durante todo o dia no Teatro Violeta Arraes envolvendo estudantes das três séries. O encontro teve como temática “equidade de gênero e proteção às mulheres” e como proposta central “Meninas, mulheres e artes: Educação que transforma”.

Professor Nicolau Neto realiza II edição da Oficina "Saberes Afro-indigenas e o Ensino de Sociologia no Livro Didático"

 

Estudantes do 3° Ano Ano "A" da EEMTI Padre Luís Filgueiras, em Nova Olinda-CE. (FOTO | Prof. Nicolau Neto).

Por Nicolau Neto, editor

Em 9 de janeiro de 2023 a Lei 10.639, que tornou o ensino da História e Cultura afro-brasileira e africana em escolas públicas e particulares do Brasil, completou 20 anos. Esta mesma lei foi alterada em 2008, que versa acerca da obrigatoriedade da História e Cultura afro-brasileira e indígena e, ambas modificaram a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996 (LDB/96). Apesar de tantos anos que entraram em vigor, elas ainda não são cumpridas em sua plenitude e, em alguns casos se limitam apenas ao artigo 79-B que foi inserido na LDB, tratando da inclusão no calendário escolar do “Dia 20 de novembro como o dia Nacional da Consciência Negra”.

Inscrições para o Sisu começam nesta segunda (22); saiba como se inscrever

 

Estudantes da Escola Padre Luís Filgueiras, em Nova Olinda-CE. (FOTO | Prof. Nicolau Neto).


Começam nesta segunda-feira (22), a partir da meia noite, e vão até a próxima quinta (25) as inscrições na edição 2024 do Sistema de Seleção Unificada, o Sisu, que seleciona alunos para o ensino superior público com base nas notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Estudantes da EEMTI Padre Luís Filgueiras alcançam mais de 900 pontos na redação do Enem 2023

EEMTI Padre Luís Filgueiras, em Nova Olinda. (FOTO | Professor Nicolau Neto).

 

Por Nicolau Neto, editor

O resultado final do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), edição 2023, foi divulgado na última terça-feira, 16 de janeiro, e podia ser acessado por meio de login único no site (plataforma) gov.br na página do (a) participantes.

Escola de Ensino Médio em Tempo Integral Pe. Luís Filgueiras realiza formatura das turmas de 3º ano e EJA

 

Estudante Laysla Evellyn acompanhada de sua filha. (FOTO | Lucélia Muniz).

Por Nicolau Neto, editor

A Escola de Ensino Médio em Tempo Integral Padre Luís Filgueiras, em Nova Olinda, na microrregião do cariri cearense, realizou na noite da última quinta-feira, 21, a cerimônia de formatura de três turmas de terceiro ano e da EJA + Qualificação do período noturno.

Caminhada antirracista, palestra com prof. Mota e apresentações culturais marcam novembro negro da PLF

 

Estudantes da Escola Padre Luís Filgueiras na Caminhada Antirracista. (FOTO | Lucélia Muniz).

A Escola de Ensino Médio em Tempo Integral Padre Luís Filgueiras, em Nova Olinda-CE, realizou nesta segunda-feira, 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, um conjunto de ações desenvolvidas em sala de aula durante o ano letivo 2023 e oriundas do projeto “aCORde uma voz”, da área de Ciências Humanas.

Pretos representam apenas 17,6% dos educadores na EEMTI Padre Luís Filgueiras

 

Professora Beatriz Alexandrino, da EEMTI Pe. Luís Filgueiras, durante roda de conversa com estudantes da EEEP Wellington Belém de Figueiredo. Ela foi uma das que se autodeclarou preta. (FOTO | Divulgação).

Por Nicolau Neto, editor

A EEMTI Padre Luís Filgueiras, uma das duas instituições da rede pública estadual do Ceará, localizada no município de Nova Olinda, na região do cariri, conta hoje com 12 turmas em regime integral, sendo 5 primeiros anos, 4 segundos e 3 terceiros e mais de 500 estudantes matriculados. Para atender a essa demanda, a escola conta com quase 40 educadores e educadoras, entre direção/coordenação, professores/as diretamente lotados em sala, secretária/o, auxiliares administrativos, etc.

Selo Escola Antirracista certificará unidades de ensino comprometidas com a equidade racial

 

Estudantes do 3º Ano A, da EEMTI Pe. Luís Filgueiras, em Nova Olinda, durante oficina sobre saberes afro-indígenas no livro didático. (FOTO | Prof. Nicolau Neto).


A Secretaria da Educação (Seduc) lançará, nesta terça-feira (22), às 10 horas, o Selo Escola Antirracista, iniciativa que tem o objetivo de ampliar o debate em torno da equidade racial na rede pública estadual. A ação reconhecerá as unidades de ensino que se destacarem na realização de projetos pedagógicos inovadores, nos aspectos da inclusão educacional e da superação do racismo, fortalecendo o pensamento crítico, o protagonismo estudantil e a interação com a comunidade escolar. O evento de lançamento do Selo será na Escola de Ensino Fundamental e Médio (EEFM) Professor Aloysio Barros Leal, em Fortaleza.

EEMTI Padre Luís Filgueiras tem trabalho classificado para a final do VII Festival Alunos que Inspiram

 

EEMTI Padre Luís Filgueiras tem trabalho classificado para a final do VII Festival Alunos que Inspiram. (FOTO | Reprodução | Instagram da Escola).


Por Nicolau Neto, editor

A Secretaria da Educação do Estado do Ceará (Seduc-Ce) divulgou na manhã desta quarta-feira, 16, os trabalhos selecionados para a final da 7ª edição do Festival Alunos que Inspiram, que irá ocorrer na capital do Estado no dia 31 do mês em curso.

Estudantes que se declaram pretos na EEMTI Pe. Luís Filgueiras representam 14,7%

 

Estudantes dos 1º anos da EEMTI Pe. Luís Filgueiras em momento de acolhida no início do ano letivo 2023. (FOTO | Reprodução).

Por Nicolau Neto, editor

A EEMTI Padre Luís Filgueiras, uma das duas instituições da rede pública estadual do Ceará, localizada no município de Nova Olinda, na região do cariri, conta hoje com 12 turmas em regime integral, sendo 5 primeiros anos, 4 segundos e 3 terceiros e mais de 500 estudantes matriculados.

Negros são 77% dos estudantes da EEMTI Pe. Luís Filgueiras de Nova Olinda

 

Estudantes dos 1º anos da EEMTI Pe. Luís Filgueiras em momento de acolhida no início do ano letivo 2023. (FOTO | Reprodução).


Por Nicolau Neto, editor

A EEMTI Padre Luís Filgueiras, uma das duas instituições da rede pública estadual do Ceará, localizada no município de Nova Olinda, na região do cariri, conta hoje com 12 turmas em regime integral, sendo 5 primeiros anos, 4 segundos e 3 terceiros e mais de 500 estudantes matriculados.

Inep publica edital com regras para o Enem 2023

 

Estudantes do 3º Ano A, da EEMTI Pe. Luís Filgueiras, em Nova Olinda - CE. (FOTO | Prof. Nicolau Neto).

O edital com cronograma e regras para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023 já está disponível para os interessados em participar do certame, que será aplicado nos dias 5 e 12 de novembro. As inscrições ficam abertas do dia 5 a 16 de junho.

Além de apresentar datas e horários dos exames, o Edital nº 30 detalha os documentos necessários, bem como as obrigações do participante, incluindo situações em que o candidato poderá ser eliminado. A taxa de inscrição é R$ 85 e deve ser paga até dia 21 de junho.

A publicação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (inep) traz também critérios para correção das provas e procedimentos para pessoas que precisam de cuidados especiais durante o concurso, bem como orientações sobre horário e local do exame.

Horários

Os portões de acesso serão abertos às 12h e fechados às 13h e as provas começam a ser aplicadas às 13h30. O término será às 19h, no primeiro dia, e às 18h30, no segundo. Estão previstas exceções de horário em casos específicos, no caso de participantes com solicitação de tempo adicional aprovada, ou com pedido de recurso de vídeo para a prova em Libras.

As inscrições devem ser feitas na Página do Participante, no portal do Inep, onde outros acessos indicam cronograma, tutoriais e orientações, além de uma área com as dúvidas mais frequentes dos candidatos. O texto detalha como será feita a reaplicação do teste e as situações em que poderá ser refeita, como problemas logísticos e doenças infectocontagiosas, por exemplo.

Os gabaritos das provas objetivas serão publicados no dia 24 de novembro no Portal do Inep. Já os resultados individuais serão divulgados no dia 16 de janeiro de 2024 no mesmo site.

Covid-19

Apesar de o país não estar mais em situação de emergência sanitária devido à pandemia, o instituto informa que será necessária a utilização de máscara de proteção à covid-19, “nos estados ou municípios onde o uso da máscara em local fechado seja obrigatório por decreto ou ato administrativo de igual poder regulamentar”.

As notas do exame são usadas para o ingresso de estudantes em universidades públicas e privadas, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), do Programa Universidade para Todos (Prouni) e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Os resultados individuais podem ser aproveitados pelos estudantes brasileiros interessados em cursar uma graduação em instituições portuguesas, que mantêm convênio com o Inep.

________

Com informações da Agência Brasil.

Mídia nacional repercute oficina sobre saberes afro-indígenas desenvolvida na EEMTI Pe. Luís Filgueiras, de Nova Olinda

 

Estudantes do 3º Ano A, da EEMTI Pe. Luís Filgueiras, em Nova Olinda - CE. (FOTO | Prof. Nicolau Neto).

Por Valéria Rodrigues, Colunista

Uma oficina sobre “Saberes afro-indígenas e o ensino de sociologia nos livros didáticos” desenvolvida por Nicolau Neto, professor e editor deste blog, nas turmas de terceiro ano da Escola de Ensino Médio em Tempo Integral Padre Luís Filgueiras, no município de Nova Olinda -CE, repercutiu não só na região do cariri, mas a nível nacional.

Dia dos Povos Indígenas: dia para celebrar e refletir

 

Rebeca Damasceno, estudante do 3º B da EEMTI Pe. Luís Filgueiras. (FOTO | Daniel Rodrigues).


No dia 19 de abril comemora-se no Brasil o “Dia dos Povos Indígenas”. Até o ano passado esta data era tradicionalmente conhecida como o “Dia do Índio”, mas a partir da Lei 14.402/2022 seu nome oficial foi modificado com o objetivo de dar relevância à diversidade das distintas e ricas culturas existentes entre os Povos Originários.

Não restam dúvidas de que a relevância do Dia dos Povos Indígenas se mostra mais premente do que nunca face à profunda tragédia experimentada pelo povo Yanomami em solo brasileiro. A situação do povo Yanomami ganhou a atenção da mídia mainstream, nos últimos meses, quando as imagens absolutamente chocantes da triste realidade vivida por essas pessoas passaram a ser maciçamente veiculadas em todos os telejornais do país.

Os dados1 que ilustram o que é considerado por muitos a maior crise humanitária ocorrida no Brasil no presente século expressa por si só a dimensão dessa tragédia. Entre 2019 e 2022, o aumento das mortes por desnutrição na população Yanonami foi de 331%. Apenas em 2022, mais de 70% desta população contraiu malária.

É evidente que esses acontecimentos tornam imperativo uma reflexão profunda e honesta acerca das causas e consequências das dificuldades que assolam continuamente a população indígena. Dentre elas, é possível destacar: racismo, violência física e simbólica, violação de direitos fundamentais, carência de acesso à saúde e insegurança alimentar.

Rebeca Damasceno. (FOTO | Daniel Rodrigues).

Vale ressaltar que a população indígena está longe de ser insignificante no âmbito da demografia nacional. Na realidade, há uma nítida tendência de crescimento do número de pessoas autodeclaradas indígenas, uma vez que desde o Censo Demográfico de 1991 a participação percentual dos indígenas na demografia brasileira tem crescido substancialmente.

No Censo de 2010 o número de pessoas autodeclaradas indígenas já era de 896.717, divididas entre 305 etnias com 274 idiomas. Por seu turno, os dados preliminares já veiculados no âmbito do Censo de 2022 indica uma elevação expressiva do número de pessoas autodeclaradas indígenas, de modo que esse número atualmente pode ultrapassar 1,6 milhão de pessoas.

O fato é que uma das principais justificativas presente no discurso de quem inadvertidamente intenta justificar, implícita ou explicitamente, a dolorosa e ultrajante realidade vivida pelos povos indígenas no país consiste em argumentar que a demarcação de terras indígenas implica fortes custos em termos de crescimento econômico e progresso técnico.

Não raramente, os mesmos defensores desse argumento ensaiam narrativas em que a população indígena aparece como “entrave” para o crescimento econômico nacional. Não restam dúvidas de que tal justificativa é peremptoriamente desmentida pelos fatos.

É uma total falácia que as mazelas experimentadas pelos indígenas advêm, diretamente, da falta de atividades econômicas em seus territórios. Na realidade, o que se observa é que os problemas sociais que assolam esse segmento populacional advêm de fatores como:

• Aumento recente do nível de desmatamento, sendo de 59,5% somente na Floresta Amazônica nos últimos quatro anos;

• Desarticulação dos órgãos ambientais fiscalizadores;

• Relaxamento das leis de proteção ambiental;

• Avanço avassalador das atividades extrativistas de madeiras e minérios, em especial, perpetradas por empresas clandestinas e grileiros ilegais;

Além disso, cumpre ressaltar que também é falso a assertiva de que exista uma dicotomia inescapável entre desenvolvimento econômico e a implementação de medidas, que visem a preservação do meio ambiente e do modo de vida dos Povos Originários com seu rico patrimônio étnico e cultural.

O falso antagonismo supracitado se mostra completamente dissonante da necessidade, apresentada pela economia brasileira, de estabelecer uma estratégia de desenvolvimento econômico pautado numa inserção mais qualificada no âmbito das chamadas cadeias globais de valor. Evidentemente, tal integração perpassa, sim, por avanços tecnológicos, mas também depende de um uso estratégico, racional e sustentável das riquezas naturais e biogenéticas existentes no território brasileiro.

Mais precisamente, um crescimento econômico mais sustentável no tempo exigirá um esforço governamental substantivo, no sentido de introduzir mais qualificadamente a economia brasileira nas cadeias globais de produção. Disso resulta a necessidade de se implementar uma estratégia que vise uma reindustrialização nacional combinada com o uso racional e sustentável das riquezas naturais nos processos produtivos de agregação de valor.

Portanto, o Dia dos Povos Indígenas é uma data que precisa ser forte e efusivamente celebrada, uma vez que comemora o seu incomensurável patrimônio cultural e simbólico, e do qual, vale lembrar, toda a sociedade brasileira é herdeira.

Contudo, é premente também utilizá-la para trazer à memória o tamanho da dívida histórica que o Brasil possui com esse segmento da sua população. Disso resulta a urgência de uma reflexão mais profunda sobre o modelo econômico e social de desenvolvimento adotados no país, uma vez que o modelo escolhido deve priorizar a preservação do seu patrimônio cultural e ser ambientalmente sustentável.

_______

Com informações do Notícia Preta.