Existe um monte de lição no 14 de março

 

(FOTO/ Reprodução/ FOPIR).

Por Milsoul Santos/IPEAFRO

EXISTE UM MONTE DE LIÇÃO NO 14 DE MARÇO,

data que remete à missão da catação de papel pra garantir o leite e o pão,

onde nada impediu a leitura,

a caneta,

o lápis,

escrita,

nem a determinação.

Sabe;

Carolina Maria de Jesus,

a Majestosa Preta favelada,

que trabalhava como catadora de papel e que,

nas horas vagas,

registrava o cotidiano da favela em cadernos que encontrava no meio do material que catava?,

ESTÁ VIVA E AINDA HÁ MUITO QUE SE FALAR SOBRE SUA INCRÍVEL CAMINHADA.

EXISTE UM MONTE DE LIÇÃO NO 14 DE MARÇO,

data que marca a historicidade do homem Preto que,

na sua infância,

aprende com sua mãe Preta a labuta antirracista,

labuta que ele começa aos 16 anos,

na década de 1930.

Sabe;

Abdias Nascimento,

o Preto pensador que saiu de Franca – São Paulo;

que superou escravidões,

guerras e revoluções e que,

pioneiramente,

denunciou o racismo à brasileira para outros irmãos e outras irmãs de outras nações e outros continentes?

ESTÁ MORANDO NO ORUM,

CASA DE OLORUM,

E,

DE LÁ,

SEU GRAVE CONTINUA,

FEITO UM RUM,

TOCANDO FORTE N’ALMA PRETA DE CADA UMA E DE CADA UM.

EXISTE UM MONTE DE LIÇÃO NO 14 DE MARÇO,

data que tem sede de justiça,

dia suplementado pela esperança destemida e furiosa contida na franca militância que se inicia em alguém ao perder uma amiga,

vítima de uma suposta bala perdida.

Sabe,

a amorosa menina Preta favelada,

mãe guerreira nata que, dentre outras tantas,

vestiu as camisas de Socióloga,

de Mestra em Administração Pública e de Vereadora?,

CONTINUA MUDANDO O MUNDO COM NOVOS ROSTOS E SUAS PALAVRAS,

ASSIM COMO AS DA SESSÃO PLENÁRIA, NO DIA 08 DE MARÇO DE 2018,

CONTINUAM ABRINDO OS OLHOS DO POVO E SE MULTIPLICANDO DE MENTE EM MENTE E DE CORPO EM CORPO.

Curiosidades

Segundo o FOPIR, o @institutomariellefranco lançou recentemente um dossiê com sobre o caso "Marielle e Anderson' em que constam 14 perguntas que, 3 anos depois, ainda seguem sem resposta. Acesse em https://casomarielleeanderson.org/

Por isso que março, como disse o FOPIR - Fórum Permanente pela Igualdade Racial - é mês de lutas para o povo negro!

Neste #14M também celebramos a vida de minha sogra, Matilde Pereira e, a deste editor/blogueiro, colunista do site Intelectual Orgânico, professor, palestrante, integrante da Academia de Letras do Brasil Seccional Araripe (ALB/Araripe) e ativista negro que vem se dedicando cotidianamente na construção de uma sociedade antirracista.

Postar um comentário

0 Comentários