#Altaneira60Anos. Esperando a tua voz, a tua ação



O Brasil passa por um dos piores momentos em 518 anos de História. Uma crise que, como já tivemos a oportunidade de registrar, passa não só pela economia, cultura, educação, pelo agravamento do racismo, pelo aumento desenfreado da discriminação a homossexuais, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros, mas também e principalmente pela política partidária. 

Esperando a tua voz, a tua ação, por Nicolau Neto.
(Foto: Kevin Leite)
Uma crise que extrapola esses pilares que mexem com os direitos humanos e caminha sem nenhum pudor na imoralidade e na ética (na sua falta evidentemente).

Temos tudo para desconstruir essa hipocrisia que a cada dia é aplicada - seja pelos representantes das grandes indústrias, pelos grandes fazendeiros, falsos líderes religiosos, seja pela grande mídia - na pele dos brasileiros e brasileiras como que se vacina contra a gripe H1N1, mas não o fazemos.

Contamos com um dos maiores veículos de comunicação a nosso favor e não os utilizamos para tal finalidade, citemos aqui o rádio e a internet. Mas na infantilidade e nos arriscaria a dizer no falso discurso de neutralidade e, ou isenções, acabamos por usá-los de maneira diferente da esperada.

Mas o que esperamos?

Esperamos que se tenha participação política efetiva. Não aquela que estamos acostumados a ver nas interpretações de muitos. Onde o que prevalece é a defesa desenfreada de partido político y e a condenação do partido político x. Não! Queremos uma participação política que seja capaz de se posicionarem para além de oposição e situação. O momento exige isso. Não cabe mais isolamento político. Não tem mais espaços para neutralidade. Faz-se necessário e urgente a tomada de partido - me permitam usar a primeira pessoa agora -  meus alunos sabem bem de que tomada de partido falo.

Não podemos usar as mesmas argumentações de muitos falsos representantes do povo nos legislativos. Não podemos fazer como a grande maioria dos membros da Câmara Federal e tocar sempre no nome de deus em cada fala ou escrita nossa. Lá no legislativo federal eles usaram a entidade “divina” para bater na democracia e na cara do povo brasileiro. Aqui se usa constantemente o nome do “divino” para silenciar, para se isentar das discussões. É como se estivéssemos morando em outro país que não o Brasil. Mas quando afirmamos isso, até mesmo os que se silenciam perdem, por que em outros recantos já há tomada de decisões. Jornais e pessoas do mundo inteiro já se deram conta do que se passa no Brasil e, portanto, já opinaram.

E você cidadão já opinou? E vocês representantes de classes já se manifestaram? E você professor e tu professora já adequou os conteúdos de sala com o momento que ora passamos ou vão continuar sendo estrangeiros na própria terra? 

Afinal de contas, democracia se constrói e se fortalece com respeito aos direitos humanos. Se faz e se amplia com cidadania.


______________________________________________________________

Nicolau Neto é professor; palestrante na área da Educação com temas relacionados a história e cultura africana e afrodescendente, desigualdades raciais, preconceito racial, diversidade e relações étnico-raciais; ativista dos direitos civis e humanos das populações negras; membro do Grupo de Valorização Negra do Cariri (Grunec); membro da Academia de Letras do Brasil/Seccional Araripe (ALB/Araripe); servidor público no município de Altaneira, diretor vice-presidente da Rádio Comunitária Altaneira FM e administrador/editor do Blog Negro Nicolau (BNN).


Postar um comentário

0 Comentários