Da MPB ao Pop Nacional: Gênero e Redes Sociais em debate, por Josyanne Gomes


A antropóloga altaneirense Josyanne Gomes é colunista do
 Blog Negro Nicolau. (FOTO/Reprodução/Facebook).

No Brasil do capitão, muitas pessoas se acham no direito de comandar suas próprias ignorâncias e aberrações. Não é raro de se ver e ler por aí, seja nos feeds do facebook, status do Whatsapp ou nos stories do Instagram, postagens de cunho preconceituoso, difamatório, ou ainda, trechos supra citados que contém injúrias e discriminação. Certo dia desses estava eu visualizando a rede social facebook, quando me deparo com o seguinte post de alguém “Nesse país de Pablo Vittar, vamos escutar algo bom” em seguida a tal pessoa compartilhava uma música do Cantor e compositor Cearense, Raimundo Fagner. Note-se aqui, que esta reflexão não objetiva atacar o trabalho, ou colocar em xeque o talento de ninguém, diferente da pessoa que fez determinado juízo de valor no seu perfil particular, sobre artistas distintos, a intenção aqui é outra.

Com isto, quero deixar bem nítido que: as pessoas têm o direito de ouvir e gostarem do que quiserem, já dizia aquele velho ditado que “gosto não se discute”, não é mesmo? Mas aqui, não estamos falando de gosto, nem tampouco de desgosto. Chamo atenção para o fato de que o comentário em questão escolhia um artista em especial, que é submetido a exposições conflituosas e conflitantes, senão floridas de julgamentos e pseudos técnicos vocais, quando se trata de uma pessoa, no mínimo, autêntica e que não se importa com os rótulos e comentários tendenciosos ao seu respeito. O trabalho do cantor e performer Vittar, causa muita euforia entre os não fãs do artista, talvez sua irreverência e coragem de ser quem é, assuste a maioria que se esconde atrás de máscaras, instituições e perfis anônimos para criticar, já que lhes falta brilho e glamour.

Pablo Vittar não é questionado apenas pelo seu talento, pois o mesmo já provou que sabe cantar e que canta muito bem, por sinal. Sua aparição pública causa espanto, para não dizer que incomoda, pelo simples fato de sua performance artística tensionar representações de gênero, que na cabeça da maioria das pessoas se confundem com sexualidade. Em nada o comentário acrescentava ou diminuía o trabalho de nenhum dos dois cantores citados aqui, mas a intenção desde o início e por trás da postagem consistia em desqualificar, deslegitimar e classificar algo como superior em detrimento de um outro considerado inferior. Mas não é de se admirar que num país governado por um “representante” que dita ideias tão toscas e bizarras, sua voz se faça presente entre os porta vozes como uma súplica, ecoando assim mesmo sem filtro, sem consciência e sem escrúpulos.
________________________________
Josyanne Gomes é graduada em Ciências Sociais pela Universidade Regional do Cariri (URCA), mestre em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), professora e colunista do Blog Negro Nicolau.

Postar um comentário

1 Comentários

  1. Exatamente Josyanne. Isso serve de exemplo para refletirmos sobre toda uma idéia de "cultura contemporânea." O que é cultura erudita, pop ou contra- cultura? Quem define esses rótulos e à quem serve essas classificações? Me parece mais uma das representações de um jogo de poder social que cria hierarquias. Ao desqualificar "o outro", também estou desqualificado tudo o que ele representa e defende. A questão é, tal estilo musical é bom ou ruim para quem?

    ResponderExcluir

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!