15 anos do Museu Afro Brasil será comemorado com exposição


15 anos do Museu Afro Brasil será comemorado
com exposição. (FOTO/reprodução).
Criado em 2004 a partir da coleção particular do curador e diretor Emanoel Araujo, o Museu Afro Brasil, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, comemora 15 anos de existência neste ano e inicia as celebrações a partir do próximo sábado (06), às 11h, com a exposição “Museu Afro Brasil, nos seus 15 anos, celebra São Paulo: uma iconografia urbana”.

A mostra reúne mais de 500 itens históricos como pinturas, fotografias, cartazes, objetos, vestimentas, recortes de jornais, revistas, mapas, brinquedos e porcelanas que traçam uma cronologia do ambiente paulistano. Artistas como Aldemir Martins, Danilo Di Prete, Sanson Flexor, Manabu Mabe, Aldo Bonadei e Lothar Charoux são homenageados através das obras expostas.

São Paulo é uma cidade-síntese, que resume em si toda a riqueza da diversidade étnica e cultural de nosso país, e que, por sua condição cosmopolita, não a isola da realidade do mundo globalizado em que vivemos. É aqui que todas as diferenças se encontram e se confrontam, que todas as sínteses se tornam possíveis, todos os choques visíveis.”, explica Araújo.

A exposição está dividida em cinco núcleos, veja a seguir quais são eles.

São Paulo, uma metrópole industrial: itens que indiciam tanto a indústria paulistana, quanto sua relação com a economia mundial como placas de propaganda, louças, brinquedos e objetos de decoração.

Belle Époque Paulistana: objetos ligados aos costumes dos anos 1920, destacando vestidos e croquis da Maison Marnah, da celebrada modista Madame Maria Adelaide da Silva, além adereços como bolsas, leques, artigos de beleza e dois raros tecidos da pintora e decoradora brasileira Regina Gomide Graz (1897-1973).

Revolução Constitucionalista de 1932: vasta iconografia que inclui mapas, esculturas em bronze, flâmulas, porcelanas, bandeiras que referenciam do movimento armado ocorrido entre julho e outubro de 1932, quando o estado de São Paulo entro em conflito com o governo de Getúlio Vargas.

Carnaval Paulistano: reproduções e fotografias originais que resgatam a importância da presença negra na festa popular na cidade.

IV Centenário: é o núcleo de maior diversidade de suportes. Nele, filatelia, numismática, discos, copos, louças, bandejas, revistas, pôsteres e mapas rememoram as festividades e celebrações que marcaram a efeméride dos 400 anos da cidade no ano de 1954, data em que foi inaugurado o Parque Ibirapuera.

A entrada é gratuita nos sábados e nos demais dias é cobrada uma taxa, que varia de 3 a 6 reais. O período da exposição é de 06 de abril a 07 de julho. Não perca esta oportunidade de valorizar e conhecer artistas pretos. (Por Marina Souza, no Negro Belchior).

Postar um comentário

0 Comentários