Vestibulares vão ter menos estudantes de escolas públicas e negros

 

(FOTO/ Reprodução/ Nexo).

O Enem e dois dos maiores vestibulares do país, a Fuvest (que seleciona para a USP, a Universidade de São Paulo) e a Comvest (Unicamp), registraram queda nas inscrições de estudantes negros e de escolas públicas nos processos seletivos para o próximo ano. Os dados foram levantados pelo portal UOL.

Em todos os três processos houve uma queda generalizada no número de inscritos em comparação aos anos anteriores. A Unicamp teve, no total, uma redução de 18,5% nas inscrições, sendo que a de estudantes negros caiu 25% e a de egressos de escolas públicas em 27,3% em relação à edição anterior. A expectativa do diretor da Comvest, José Alves, é que estudantes destes grupos tentem o ingresso por meio da nota do Enem.

Já a Fuvest, que também registrou queda acentuada na candidatura de pretos, pardos e indígenas (33% em relação à edição 2021), relativizou os números e afirmou que ele é “semelhante ao visto em outros anos desde que esse sistema de cotas foi implementado”. Menos estudantes de escolas públicas também vão pleitear uma vaga na USP para o próximo ano (uma redução de 25%).

“Eles se desvincularam do processo de aprendizagem e é uma pena, porque essa inclusão incipiente que vinha ocorrendo no ensino superior, de alunos negros e de baixa renda, se interrompeu” Claudia Costin, diretora-geral do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da Fundação Getulio Vargas, em entrevista ao UOL

A situação mais preocupante, no entanto, é a do Enem, o Exame Nacional do Ensino Médio. O Enem é a maior porta de entrada para universidades públicas e privadas de todo o país e foi também o que registrou a maior queda na adesão de estudantes negros (52%) e de escolas públicas (31%) em relação à edição anterior. O cenário poderia ser ainda mais grave se uma decisão do Supremo Tribunal Federal não tivesse garantido a isenção para os estudantes que faltaram ao exame de 2020 em função da pandemia.

A avaliação de especialistas é que a baixa adesão desses estudantes aos grandes vestibulares é reflexo dos impactos da pandemia no ensino público. “Quando ficamos com escolas públicas fechadas por tanto tempo, sabendo que não há conectividade e equipamentos necessários para uma boa parcela dos alunos da rede pública, temos um cenário como esse pela frente”, afirmou ao UOL Claudia Costin. Para ela, a queda de inscritos negros e de escolas públicas aponta para um ensino superior “mais excludente e elitista” nos próximos anos.

------------------------

Com informações do Nexo.


Postar um comentário

0 Comentários