Arqueólogos descobrem que povos tupis habitaram o Cariri há 2,4 mil anos

 

Sete sítios arqueológicos foram encontrados e analisados na área do CAC. O sítio São Bento/Lagoa Encantada é apontado como o mais significativo em relação às informações identificadas. (FOTO/ Agnelo Queiroz/Divulgação).

A descoberta de artefatos em um sítio arqueológico na comunidade São Bento, na cidade do Crato, aponta a presença de grupos Tupi na região do Cariri. O material foi coletado em uma pesquisa realizada entre os anos de 2013 e 2021 e reforça teses levantadas por estudos arqueológicos na década de 1980.

Restos de fogueiras, ainda com quantidade significativa de carvão, foram enviados para datação em um laboratório da Flórida, nos Estados Unidos, e apontam para essa presença no Ceará há cerca de 2.400 anos.

A pesquisa foi realizada durante o processo de licenciamento ambiental e cultural das obras do Cinturão das Águas do Ceará (CAC), projeto da Secretaria de Recursos Hídricos do Estado (SRH).

Inicialmente, o estudo foi coordenado pela arqueóloga Rosiane Limaverde, falecida em 2017, e em seguida pelo arqueólogo Agnelo Queirós, que concluiu o trabalho e apresentou seus resultados em relatório para o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Vasto Acervo Arqueológico

Dentre os sete sítios arqueológicos encontrados e pesquisados na área do CAC, o sítio São Bento/Lagoa Encantada se configurou como o mais significativo em relação às informações identificadas.

Foi caracterizado como um sítio Tupi por conter um vasto acervo arqueológico da cultura material desses povos, conhecidos, de forma geral, pela vasta e rica produção ceramista e lítica, além da agricultura e especificidades da dieta alimentar e outras atividades culturais e tecnológicas”, detalha.

Nas escavações, foi encontrada uma importante diversidade de fragmentos e vasilhas em cerâmica ricamente decoradas. Entre outros artefatos, também foram encontradas peças que compunham a estrutura de fusos, peças que evidenciam a prática da tecelagem.

Estes grupos viveram em período pré e pós-colonial e são subdivididos em acordo com outras gerações, mas com aspectos culturais compartilhados

Agnelo Queirós

Arqueólogo

Contudo, só a partir do processo de datação se pode saber quando estes grupos passaram pelo território do interior cearense. Para isso, foram coletadas estruturas de combustão em blocos e seixos rochosos.

Também podem ser enviados ossos ou outros materiais orgânicos”, destaca Agnelo. Neste caso, foi o carvão encontrado, no mesmo contexto da cerâmica, que passa por um processo de Radiocarbono (C14) no laboratório da Beta-Analytic, na Flórida, nos Estados Unidos, o mais próximo do país capaz de apontar esses resultados.

Os resultados apontaram para a datação de cerca de 2,4 mil anos atrás, a terceira datação mais antiga já realizada no território do Cariri cearense para sítios de contexto e cultura material semelhantes.

O carbono coletado para a datação é destruído durante o processo de análise, enquanto o restante das peças encontradas, como material cerâmico e lítico, estão na Fundação Casa Grande - Memorial do Homem Cariri, instituição de endosso e salvaguarda do acervo arqueológico.

Origem dos Tupi no Cariri

Conforme aponta a literatura arqueológica e antropológica, o tronco cultural linguístico Tupi tem sua origem na região amazônica, no Norte do País, mais especificamente no atual estado de Rondônia, em períodos pré-coloniais, e seguiram em dispersão e povoamento de outras áreas do atual território brasileiro através da Região Centro-Oeste, seguindo então pelo Sul, Sudeste e Nordeste.

Por muito tempo se acreditou que essa dispersão somente tinha acontecido pelo litoral. No entanto, desde a década de 1980, pesquisas apontam a presença de distintos grupos de origem Tupi, os chamados proto-tupi, ou diferentes tradições relacionadas ao tronco linguístico Tupi, em áreas de interior.

A grande dúvida é de como essa migração, essa expansão com essa cultura material, se expandiu por áreas litorâneas e de interior, sendo que, até então, a área mais dominada de ocupação que se tem certeza é a área litorânea

Agnelo Queirós

Arqueólogo

Além das questões científicas, na perspectiva de uma Arqueologia Social Inclusiva, essas novas informações, na visão de Agnelo, enriquecem o conhecimento da história pré e pós colonial no Cariri cearense e também fortalece seu território diante da proposta de tornar a Chapada do Araripe um patrimônio cultural da humanidade junto à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

Por outro lado, o arqueólogo acredita que o achado também oferece um fortalecimento dos movimentos sociais, sobretudo ligados aos movimentos aos grupos e povos originários indígenas, que caminham para autoconhecimento identitário, luta por território e direitos culturais. “Nisso, destacamos a comunidade indígena Kariri, no Poço Dantas, em Crato”, completa.

A pesquisa e os resultados apresentados serão, em breve, publicados em artigo científico. O material resgatado durante a pesquisa se encontra sobre a salvaguarda da Fundação Casa Grande que, após a flexibilização das medidas restritivas no enfrentamento a Covid-19, estará aberto ao acesso e conhecimento de pesquisadores, movimentos sociais e da comunidade em geral.

_______________

Com informações do Diário do Nordeste.

Postar um comentário

0 Comentários