Comunidade do Gesso: Qual é a revolução?

 

(FOTO/ Reprodução).

Por Alexandre Lucas, Colunista.

A gente anda só e a revolução não se faz de forma isolada, esse provavelmente seja o entendimento para compreender que as transformações são fruto da luta organizada. A compreensão de coletividade, as condições objetivas e o poder político é o que faz a revolução. Na comunidade do Gesso, no Crato, existe uma revolução em curso?

É preciso entender com profundidade o que vem acontecendo na comunidade na última década, não é um simples movimento, mas um conjunto de forças e uma engenharia social que enxerga a dimensão transversal da luta pelo direito à cidade e suas interrelações entre o local e o global.     

Entender o significado do processo histórico de ocupação espacial e simbólica da comunidade é um caminho para compreender o que vem ocorrendo nesta última década. A estratificação social e espacial da Comunidade do Gesso, demarcada pelas linhas férreas e pelo preconceito de classe e a estigmatização social são elementos essenciais para apontar os danos estruturais na urbanização e no acesso à cidade, bem como na autoestima coletiva e no sentimento de unidade comunitária.

Não é o discurso da “melhoria” que vem dando visibilidade e impulso às mudanças na comunidade, é para além. O discurso da “melhoria” é justo e previsível, mas ao mesmo tempo pode ser pequeno e insignificante. É outra perspectiva, baseada na necessidade de desconstruir as relações de submissão e coitadismo e ao mesmo tempo da construção de pontes e capilaridades para o protagonismo social.

A comunidade do Gesso precisa ser percebida a partir do seu Território. É atuação em rede e a dimensão territorial que vem redimensionando a capacidade política e a construção de uma narrativa positiva de organização popular.

Em 2015, o Coletivo Camaradas idealizou e articulou uma série de organizações da sociedade civil e do poder público para constituir o Território Criativo do Gesso, uma experiência necessária, inovadora e dinâmica que compreende cinco bairros da cidade do Crato, onde está inserida a comunidade. Essa dimensão de Território coloca em outro lugar a comunidade do Gesso, ou seja, no lugar da aproximação entre sociedade civil e poder público, do imaginário transformador de organização popular, do reconhecimento de potencialidades e desafios e evidencia uma radiografia mais próxima da realidade, onde são expostos os conflitos, diálogos possíveis e as construções coletivas.

Dentro do Território é possível mapear Pontos de Cultura, coletivos artísticos, grupos da tradição popular, Ongs, grupos esportivos, museu comunitário, escolas, universidade, grupos religiosos, unidades de saúde e de assistência social, além de outros órgãos da gestão pública, o que torna esse conjunto de organizações uma potência territorial.   É numa costura de rede que a comunidade e o Território Criativo do Gesso vão ganhando força e visibilidade.   

De forma isolada, as organizações da sociedade civil perdem força, mas quando atuam em rede conseguem ampliar ações, reivindicações e conquistas, é o que vem acontecendo na comunidade do Gesso e no Território. É nesta atmosfera que o lugar e o Território vão se conectando a outras visões de mundo e ganhando novas dimensões e articulações.         

Além das ações realizadas em parcerias e das reivindicações constantes, alinhasse a essa questão a produção de conteúdo para construção de uma narrativa territorial e de lugar. São vídeos, fotografias, cartazes, textos para imprensa, etc., que vão dando nomes e identidades para as organizações e os sujeitos, ou seja, que vão promovendo o protagonismo popular. Essa visibilidade significa também ocupação dos micros espaços políticos de poder, tão necessários para o enfrentamento e o diálogo com o poder constituído.

Um exemplo de conquista e de como a micropolítica se entrelaça a macropolítica e vice-versa, é a Lei Aldir Blanc, fruto da luta dos movimentos sociais, de gestores públicos e de parlamentares de diversos campos políticos, em especial da esquerda que proporcionou ao país reduzir os impactos da pandemia na economia da cultura descentralizando recursos públicos para estados e municípios brasileiros. A Lei Aldir Blanc teve impacto direto na comunidade do Gesso, no Território Criativo do Gesso e na sua interligação com o país.

Atividades formativas, produções de documentários, apresentações artísticas, diálogos com artistas, pesquisadores e gestores culturais de diversos estados do país, estruturação com aquisição de equipamentos para diversas organizações que atuam no Território Criativo do Gesso e o envolvimento da sociedade civil e do poder público em diversos eventos demonstra a atuação em rede do Coletivo Camaradas proporcionado pela Lei Aldir Blanc.

Com foco na luta pelo direito à cidade, a Lei Aldir Blanc também proporcionou a comunidade do Gesso, através do Coletivo Camaradas uma série de intervenções urbanísticas e paisagísticas que impactam diretamente na cultura, no cuidado coletivo, na economia local e no protagonismo das organizações e dos moradores. O projeto urbanístico e paisagístico reforça a existência e a continuidade do Sítio Urbano do Gesso, uma conquista comunitária que visa promover a agricultura urbana, o Sítio Urbano é reconhecido por lei municipal. A ação consta de construção de calçadas, escadarias, corrimão, ampliação de canteiros, terreiros culturais e oratório e de uma série de intervenções artísticas. Essa intervenção abre novos olhares para pensar a interface entre direito à cidade e a cultura. É possível pensar urbanização, paisagismo, meio ambiente e cultura de forma interligada e tendo os sujeitos e suas organizações como protagonistas? Sim, o exemplo da Comunidade do Gesso, demonstra que é possível inverter o holofote e promover a qualidade de vida.         

É impossível andar pela comunidade do Gesso e não perceber que existe algum tipo de revolução. 

Postar um comentário

0 Comentários