Quais referências negras você tem?


(FOTO/ Reprodução/ Facebook).

Texto: Nicolau Neto

Quais referências negras (na educação, na saúde, na cultura, na mídia, nos movimentos sociais…) você tem?”. Foi esse o questionamento que fiz nesta terça-feira, 23 de junho, em minhas redes sociais.

A finalidade era incitar seguidorxs a pensar e refletir quais os papeis que as personalidades negras ocupam no seus imaginários e de igual modo, perceber em que medida o Blog está contribuindo para desconstruir estereótipos que são atribuídos a nós, povos negros, bem como na luta contra o preconceitos, a discriminação e o racismo e todas as desigualdades dele resultante.

A juazeirense Ana Paula Martins foi a primeira a responder. “Na política temos a Benedita da Silva; na cultura temos Gilberto Gil; nos movimentos sociais temos Marielle Franco (Nível nacional), Marta Brandao a nível estadual”, destacou.

Para o professor da Universidade Regional do Cariri (URCA) e pesquisador vinculado ao INCT-PROPRIETAS, Darlan Reis Jr., suas referências são sempre da política ou nas ciências e relata que na área cultural é fã de alguns artistas, mas não considera "referências". Algo que para é “mais profundo”. Darlan cita vários nomes “referências” como “Milton Santos, Muniz Sodré, Joel Rufino dos Santos, Maria Beatriz do Nascimento, Luiza Bairros,  Thomas Sankara, Amílcar Cabral, Minervino de Oliveira, João Cândido, Ângela Davis”.

O professor da Escola Estadual de Educação Profissional João Bosco de Lima, em Mauriti –CE, Júlio Feijão, lembrou sua referência no campo da literatura ao mencionar Machado de Assis, Lima Barreto e Carolina Maria de Jesus.

A Assistente Social vinculada ao Centro de Referência da Assistência Social de Altaneira (CRAS, Altaneira), Amanda Martins, lembrou os nomes de “Djamila Ribeiro (mídia), Marielle Franco(política), Sueli Carneiro (movimentos sociais)”.

O altaneirense Rafael Lima, mas que atualmente reside em Crateús, também citou suas referências. “Jesse Owen ganhou medalha de ouro na olimpíada de Berlim em 1936 diante Adolf Hitler frente a uma Alemanha doente. Acho sensacional a história dele”, pontuou.

Outro altaneirense que respondeu ao questionamento foi Leonardo Gonçalves ao citar Mae Jemison. “Mae Carol Jemison. Primeira mulher negra a entrar na NASA e a conseguir ir ao espaço e orbitar a Terra”, escreveu.

A estudante cratense de Ciências Sociais na Universidade Regional do Cariri (URCA), Júlia Simão mencionou diversos nomes e fez um discurso profundo e de denúncia também.

Para Júlia, “Há muita resistência branca em reconhecer pessoas negras como pesquisadores e pesquisadoras” e disse que nas universidades ainda é pouco o número de negros e negras. “Lá ainda é pouco, mas ainda conseguem ter mais ‘reconhecimento’ que fora. Embora, grande parte só sejam conhecidos por alunas e alunos negros, na sala de aula, teóricas e teóricos negros não são legitimados”.

Abaixo integra do discurso de Júlia Simão e suas referências:

Após adentrar os muros acadêmicos, passei a conhecer mais. Lá ainda é pouco, mas ainda conseguem ter mais "reconhecimento" que fora. Embora, grande parte só sejam conhecidos por alunas e alunos negros, na sala de aula, teóricas e teóricos negros não são legitimados. Há muita resistência branca em reconhecer pessoas negras como pesquisadores e pesquisadoras. Mas fora desses muros, não posso deixar de citar Valéria e Verônica, que tiveram contribuições férteis nas terras Caririenses. Na mídia, tenho alegria e alívio em garantir que grandes amigas atualmente graduandas no curso de jornalismo serão profissionais potentes. Também cito o jornalista Joedson Kelvin, que produz conteúdos preciosos da pele e olhares negras no YouTube. Professores que travam essas discussões numa educação calcada no apagamento da população negra, como você, Cícera Nunes, Thiago Florêncio, e etcetera. Os irmãos Aniceto, em sua maioria negros, que é tradição na região, e tantos outros que se movimentam. Eu diria que o Cariri é um berço farto!

Postar um comentário

0 Comentários