Professores de Altaneira e convidados realizam virtualmente novas reflexões sobre a Revolta da Vacina e atualidades


Professores de Altaneira e convidados realizam virtualmente novas reflexões sobre a Revolta da
Vacina e atualidades. (FOTO/ Reprodução).

Na manhã de hoje, o Clube de História da EEM Santa Tereza, se reuniu virtualmente para debater mais uma vez a Revolta da Vacina a partir do Livro os Bestializados do historiador José Murilo de Carvalho. Participaram do momento, os professores Luis Júnior, José Evantuil e Vinicius Freire, todos da referida Escola, assim como também, os professores convidados: Nicolau Neto e João Paulo Flores, além dos professores já citados, alunos, ex-alunos, o diretor da escola, Paulo Robson e o coordenador Pedagógico Reginaldo Venâncio se fizeram presentes.

No contexto dos debates, o Professor Reginaldo Venâncio, iniciou falando do projeto do Clube de história, além da importância do encontro refletindo a partir do contexto atual.

O Professor Nicolau Neto, fez a contextualização do tema, abordando o Rio de Janeiro da época, a crise sanitária e outras doenças existentes como: Cólera, Peste Bubônica, Febre Amarela além claro da Varíola. Nicolau ainda ressaltou a campanha de embelezamento da cidade por parte do prefeito Pereira Passos, assim como também, do caráter antipopular da lei da vacina obrigatória, que tinha uma questão moral como uma das motivações geradoras da Revolta.

O Professor João Paulo Flores traçou um paralelo entre a Revolta da Vacina e o atual contexto de Pandemia que vivemos, como a resistência a vacina e a resistência atual à prática do isolamento social, das ações do Governo de Rodrigues Alves com as ações do Governo Bolsonaro, ambas sem a existência do diálogo entre a sociedade e o governo. O professor também ressaltou em sua fala a questão da moradia no Brasil, desde o início da República, além disso, discutiu a relação entre individualidade x individualismo.

O Professor Luis Junior situou mais sua fala na revolta em si, e abordou as causas da revolta e sua justificativa, abordou também, a oposição dos positivistas à vacina obrigatória e salientou como uma população na qual apenas 20% tinha direitos políticos garantidos por lei, era muito mais participativa na luta pelos seus direitos do que o público atual.

O Professor José Evantuil endossou a fala dos demais, e focou sua fala traçando um paralelo entre a revolta e a atual pandemia, problematizando sobretudo, o oportunismo político existente em ambas.

O Professor Vinicius Freire, mais uma vez abordou o papel da mídia na revolta, destacando os jornais O Paiz e O Correio da Manhã, que faziam respectivamente a defesa e a oposição do governo Rodrigues Alves, tratou ainda da questão do movimento operário e das greves que ocorriam antes e/ou durante a dita revolta, ressaltou também a divisão entre os militares, uma vez que alguns militares apoiaram os revoltosos.

Após a fala dos professores, o professor Paulo Robson enalteceu a importância do Projeto do Clube de História e também, de encontros como esses.

Ficou acertado entre os presentes, outro encontro sem data definida para trabalhar o tema: Democracia e Liberdade em tempos de Pandemia.

________________________________

Texto do professor Vinícius Freire publicado originalmente no Blog GEHBST com o título “Em segundo encontro, Clube de História volta a debater Revolta da Vacina”.

Postar um comentário

0 Comentários