Vidas negras importam?, por Jéssica Lorenna


(FOTO/ Ilustração/ André Castilho).

 

Um manifesto contra a paz! SEM JUSTIÇA SEM PAZ.

Sabe qual é a verdade? VIDAS NEGRAS NÃO IMPORTAM! É isso mesmo, não importam. Não adianta vocês virem com discursos baratos e enfadonhos que sugerem empatia e insistem em dizer que todas as vidas importam. O que eu tenho pra dizer é que não, vocês não enxergam a dor que é habitar num corpo negro. É comovente quando um artista famoso, compartilha fotos de meninos mortos pela violência policial.

É comovente, mas não comove você nenhum pouco quando essa vida é assassinada perfurada pelo cajado do estado o tiro que atravessa além desse corpo, a existência das mães negras, que são torturadas e trituradas ao ver seus filhos enterrados, sem promessa nem cumprimento de justiça.

Rouba, não só a vida de quem deixa esse plano para um outro, mas ceifa, tritura, mastiga, perfura a existência de mães negras, que são torturadas ao ver seus filhos sendo enterrados e a justiça não sendo feita. Perfura, e jorra o sangue do coração do pai que enterra com seu filho o sonho da formatura, de constituir uma família, dos netos que nem nasceram, e principalmente dos sonhos não realizados. Nós queremos dizer a vocês, que estamos cansados, de sermos ridicularizados, de sermos objetificados e de ver a nossa vida sendo tratada como supérflua, e sem importância.

Repito, é perfurante, e as feridas jorram sangue de dentro das nossas almas. Quando assistimos um jovem negro ser morto, vemos e fingimos comoção, estamos assinando o atestado de que as vidas negras não importam. Acreditamos que o poder emanado do povo é o mais legitimo e forte que pode existir na humanidade, ele tem o poder de salvar vidas, como salvou a de “Barrabas”, mas também tem o poder de condenar como condenou “Jesus o filho de Deus”.

Queremos acreditar que essa força e poder que emana do povo possa ser justa com a vida ceifada de Eduardo Vieira Davi Dutra, não aguentamos mais. Prestem bem atenção! NÃO AGUENTAMOS MAIS. Essa paz que vocês querem, ou fingem querer, ela não nos contempla, ela é falsa, ilegítima!. Esta paz, que desfila em carros brancos e ecoam pelos sinos das igrejas, essa paz é falsa. Enquanto faz uma parte acreditar que está pregando e distribuindo a bandeira da paz, para nós, os outros, vidas negras, que como já falei, pra vocês não importam! Essa paz é sinônimo de injustiça, de tristeza e de sangue derramado.


Eduardo Dutra. (FOTO/ Arquivo da Família).

Pedimos a vocês para que não sejamos injustos como fomos com “Jesus”. Enquanto vocês só estiverem compartilhando suas telas pretas nos seus perfis sociais, nas nossas casas pretas choramos a dor e o calcário que é ter uma vida negra ceifada, que para vocês não tem valor nenhum. Estamos cansados, cansados de lutar contra um pensamento racista que julga um corpo pela sua cor, e excluí as humanidades habitadas nesses corpos. Nossos corações já cansados de jorrar sangue e dor, pedem Clemência para os nossos deuses, e para os deuses de vocês.

QUEREMOS JUSTIÇA!

Esse grito ecoa há seis anos, justiça pra Eduardo Café, quem aqui não lembra, das # pedindo justiça pra café?? Vocês acompanharam nossa dor e nossos sofrimentos, talvez ele não comova vocês. Mas é legítimo, Eduardo foi vítima de assassinato, COMO TANTOS OUTROS MENINOS NEGROS, até conhecidos de vocês, isso é um fato. Eduardos, Joãos, Issacs, Ágatas, e Miguels, precisam de JUSTIÇA. Seus corpos já não estão ao lado dos seus familiares e amigos.

A dor da ausência de Eduardo já dura seis anos, essa dor que parece ser indizível pra alguns de nós. Sinto muito ter que revelar, mas, se vocês só se comovem com os casos compartilhados pelos artistas famosos, vocês não entenderam nada sobre chorar a dor dos que foram levados. Sinto muito incomodar a tranquilidade da vida de vocês pra dizer que, NOSSAS VIDAS IMPORTAM. Se não importam pra vocês, elas importam para os nossos. É por isso que anunciamos, SEM JUSTIÇA SEM PAZ!

Essa danada da paz que vocês pregam, ela nunca existiu para nós, muito antes até da vida de Eduardo ser interrompida. Essa paz não existiu nos cativeiros enquanto nossos antepassados foram torturados e submetidos aos mais horríveis atos de violência, enquanto vocês, e essa branquitude imunda assistia das casas brancas o sangue dos nossos antepassados escorrerem. Quem aqui ainda continua na casa branca assistindo as senzalas queimarem?? Nós, E NOSSOS CORPOS PRETOS CONTINUAM SEM PAZ, E QUEIMANDO, por isso e por tanto, insistimos: SEM JUSTIÇA SEM PAZ.   Se você leu esse manifesto até aqui, e esta indignado como nós, pelas tantas injustiças cometidas ao povo preto, compartilhe e faça essa nojenta paz se revirar e se reinventar. Findamos esse engarrafado de sangue negro, clamando:

SEM JUSTIÇA SEM PAZ. JUSTIÇA PRA CAFÉ, JUSTIÇA PRA EDUARDO.

____________________________________________

Texto encaminhado a redação do Blog pela autora. Jéssica Lorenna Lima é artista, professora de teatro, ativista dos movimentos sociais, com atuação pelo Grupo de Valorização Negra do Cariri (Grunec).


Postar um comentário

1 Comentários

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!