É preciso arar na guerra

 

Alexandre Lucas, Colunista. (Foto/ Reprodução).

Por Alexandre Lucas, Colunista

Os destroços percorreram todos os caminhos da manhã. A flor perdeu quase todas as pétalas. A lama escondia os pés, o baú se abria e deixava escapulir as feridas guardadas ao longo do tempo.  O suor temperava o corpo cansado e encardia as ideias.

O dia interminável, durou outras manhãs, carregadas de terremotos. Já estava difícil decifrar como seria o dia seguinte e de planejar a temporada da colheita e da fartura de felicidade. Poderia durar alguns vinte e um, vinte e uma horas, vinte e um dias, vinte e um anos, ou mais.

O tempo que durasse poderia encolher a esperança, esfacelar a coragem e debulhar a insensibilidade. A dor tende a escavacar as profundezas construídas nas manhãs de escombros. Ela, a dor, não é franquia para apresentar a mesma face, como as semelhanças dos grãos de arroz, que só se diferenciam dos lugares.

Em alguma manhã, nascerá flores imensas, com cores vibrantes e suaves, brotarão frutos para um longo período. É preciso arar na guerra, nos dias em que os pedaços de gente não se juntam, nada nascerá amanhã sem que as pernas, as mãos e os desejos se movimentem. O acaso é sempre uma mentira para explicar a realidade.   

Postar um comentário

0 Comentários