Projeto sobre cultura afro-brasileira feito por alunos de Milagres (CE) recebe menção honrosa

 

A notícia sobre a condecoração da menção honrosa veio durante a semana de ações no mês passado, o que mostrou que a equipe segue pelo caminho certo. (FOTO/ Divulgação).


Estudantes do município de Milagres (CE) criaram o projeto “Juventude Negra: Movendo Estruturas” para discutir questões relacionadas à população negra e exaltar a cultura afro-brasileira. O trabalho foi conduzido por um grupo de estudantes do 2° e 3° ano do ensino médio da Escola Municipal Dona Antônia Lindalva de Morais, e surgiu a partir da reflexão sobre o aumento da violência contra a população negra no Brasil. O exercício e a atenção provida à causa foi fundamental para que o projeto recebesse menção honrosa na quinta edição do Desafio Criativos da Escola, organizado pelo programa Criativos da Escola, do Instituto Alana, em alusão ao Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra, que ocorreu no dia 20 de novembro.

A proposta nasceu no fim de 2016, tomando como base a ideia de que a escola é formada principalmente por alunos negros. O estudo começou por meio de um formulário divulgado entre os alunos, inspirado nas pesquisas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Grupo de Valorização Negra do Cariri (Grunec). “83% se autodeclararam negros, que inclui cor parda e cor preta. Apesar disso, nós tínhamos um problema: a maioria deles não se reconhecia como sendo negros. Eles se autodeclararam, mas o nosso problema é que eles não tinham a identidade negra, não tinha a identidade africana”, explica o professor e orientador Carlos César.

Josiely Felipe, aluna participante do projeto, acredita que a discriminação é fator crucial para que haja esse distanciamento em relação às origens. “A gente via que não tinha uma aceitação por parte deles, por conta da discriminação. Até porque estamos em um País que cria uma série de nomenclaturas como ‘moreninha’ e tem o peso histórico. Muitas vezes, eles não entendem e se deixam usar por uma branquitude racista”, afirma.

Agora, como integrante da pesquisa, ela conta que a forma que passou a enxergar o mundo vai muito mais além. “Me tornei mais sensível socialmente no quesito das pautas sociais e fazer parte do processo de desconstrução, pois sabemos que todos produzimos um tipo de racismo, foi um desafio, pois é evidente que a dívida histórica é muito grande. Infelizmente, a questão racial está também está associada à ideia colonizadora”.

Como forma de educar e estabelecer na escola Lindalva de Morais uma grade curricular antirracista, desde 2017, os alunos passaram a desenvolver uma série de ações que abordam a cultura, a história e a realidade negra do Brasil. Este ano, o primeiro evento aconteceu em março, no Dia Internacional da Mulher. “Nós decidimos continuar trabalhando com a violência contra a mulher negra. Todas as mulheres assassinadas no município nos últimos 5 anos, eram mulheres negras. Em março, nós realizamos um trabalho de orientação pedagógica de pesquisa e debates em sala de aula em referência a integração da mulher negra na sociedade”, relembra Carlos César.

A pandemia, entretanto, atrapalhou alguns planos para as atividades a serem desenvolvidas ao longo do ano, mas a celebração de Dia da Consciência Negra foi bem sucedida. “Nós realizamos uma série de atividades presenciais e virtuais. Nós desenvolvemos com os alunos da escola publicações em sites de notícias da região do Cariri. Nós publicamos artigos sobre a população negra de Milagres, sobre a questão racial no Ceará e no Brasil, e também sobre a cultura negra em Milagres”, cita o professor.

A notícia sobre a condecoração da menção honrosa veio durante a semana de ações no mês passado, o que mostrou que a equipe segue pelo caminho certo. “Foi gratificante, ver que o nosso esforço em pesquisa e vontade de mudar foi notada por uma rede jornalística tão conhecida, é uma grande honra”, compartilha Josiely. 

Para ela, a experiência foi válida e permitiu que se sentisse parte da luta de pessoas próximas. “Por ser miscigenada, porém de cor branca, não me impediu de lutar pelos direitos das pessoas negras. Cresci vendo familiares e amigos sofrerem racismo e aquilo pra mim só foi um motivo, pra me dar força e coragem”, destaca a estudante.

Com informações do Diário do Nordeste do Ceert.

Postar um comentário

0 Comentários