É fundada a Frente Nacional Antirracista: ‘sem preto, não tem desenvolvimento’

 

(FOTO/ Reprodução/ Portal Disparada).

Amanhã será lançada a Carta de Princípios da Frente Nacional Antirracista, cujo lema será “Sem preto, não tem desenvolvimento”.

Frente Nacional Antirracista criará interlocução com o setor público, organizações empresariais e sindicais e 100 das maiores empresas do Brasil com reivindicações de combate à discriminação racial.

A ideia é defender a criação de Comitês Antidiscriminatórios Externos e Independentes que possam debater, organizar, implementar e fiscalizar mudanças pertinentes a uma agenda antirracista.

A Frente Nacional Antirracista, fundada no último sábado (01/12), e que tem como objetivos o combate ao racismo estrutural e institucional e a promoção da participação ampla no debate econômico brasileiro, pretende abrir interlocução com o setor público, entidades empresariais e sindicais e com 100 das maiores empresas brasileiras (neste primeiro momento). Os contatos terão início na próxima segunda- feira, dia 7 de dezembro, em que serão apresentados os princípios e as diretrizes contidos em seu manifesto de criação.

O intuito é construir pautas econômicas, culturais e sociais antirracistas e defender a importância da existência de Comitês Externos e Independentes nestas organizações, que estejam focados em orientar inciativas, implementar e fiscalizar a execução das agendas propostas pelo Coletivo. Segundo o manifesto da Frente Nacional Antirracista “discussões sobre desigualdade, tributação, politica industrial, meio-ambiente, política salarial, política agrária e urbana, empreendedorismo e tecnologia só ganham sentido quando se considera que o Brasil é composto por uma maioria de pessoas negras, que são historicamente desrespeitadas, ganham os piores salários e são vitimadas pela violência urbana e rural.

O grupo entende que uma resposta dentro do prazo de 20 dias das entidades públicas e privadas e das primeiras 100 empresas acionadas, sinalizará à sociedade interesse por parte das lideranças empresariais por uma mudança na economia brasileira e um real compromisso com o desenvolvimento econômico que leve em consideração as demandas do povo brasileiro.

Além destas 100 primeiras empresas, o objetivo é que as demandas da Frente Nacional Antirracista – que reúne mais de 600 organizações dos mais diversos movimentos sociais como Educafro, Frente Favela Brasil, UNEGRO, Quilombação e Instituto Luiz Gama, dentre outras – sejam apresentadas também para os Presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado, o Presidente do Supremo Tribunal Federal, às associações empresariais (como FIESP), à Diretoria da Bolsa de Valores de São Paulo e às principais Centrais Sindicais do Brasil.

Clique aqui e confira as primeiras 100 empresas a serem convidadas para esta interlocução.

__________________

Com informações do portal Disparada.


Postar um comentário

0 Comentários