O Cafezinho: Sergio Moro tenta dar um “golpe de estado”


Sérgio Moro. (FOTO/Reprodução/O Cafezinho).

A prisão dos hackers, a cobertura espetacular feita pelos grandes meios de comunicação e as declarações do ministro da Justiça, Sergio Moro, configuram a tentativa de um modesto, mas extremamente ardiloso, golpe de Estado, visando recuperar o poder e o prestígio que vem desaparecendo com as revelações da Vaza Jato.

Ao divulgar, com estardalhaço, que as comunicações das mais altas autoridades da república teriam sido devassadas, e que elas serão “destruídas”, Sergio Moro faz uma ameaça não muito velada. O recado que ele manda é o seguinte: “eu tenho o segredo de todos vocês, senão ficarem do meu lado, senão me blindarem, ponho tudo no ventilador”.

Sergio Moro precisa, desesperadamente, do apoio das altas instâncias do judiciário, porque haverá uma votação, talvez já em agosto, de um habeas corpus do ex-presidente Lula, em que a sua atuação como juiz será julgada ou não como suspeita. Se for julgado suspeito, o ex-presidente Lula ganhará liberdade, e será uma derrota enorme para o ministro, que verá seu sonho de se tornar ministro do STF, que já ficou meio distante, ser enterrado de vez. Moro também precisa de apoio do Senado, por onde sua eventual indicação ao STF terá de ser confirmada. Além, é claro, do apoio do próprio presidente da república, Jair Bolsonaro, cujo celular também teria sido devassado.

É um tanto improvável que um garoto (já se sabe que apenas um dos rapazes era realmente ativo, o tal Walter Delgatti Neto) de Araraquara, sem nenhuma grande estrutura, tenha hackeado as comunicações de tantas autoridades importantes.

A PF hoje está sob controle estrito de Sergio Moro, porque os cargos mais importantes estão ocupados por gente de sua confiança, que trabalhou com ele em Curitiba, na operação Lava Jato.

Diante de sua posição como suspeito, e pessoa profundamente envolvida nas denúncias, Sergio Moro não é (nunca foi, na verdade, mas hoje menos que nunca) uma fonte imparcial ou isenta para levar adiante essas investigações. Nem ele nem a cúpula da PF.

E se o hacker não devassou conta nenhuma, e se tudo não passa de invenção da PF, de um esforço desesperado de seu chefe, Sergio Moro, para chantagear a república?

Essa investigação deve ser tocada por uma comissão totalmente independente do governo, mas que conte com a confiança tanto do governo quanto da oposição.

É preciso que nos afastemos de teorias de conspiração, mas não podemos nos furtar de lembrar que Sergio Moro, há poucas semanas, esteve visitando as sedes dos serviços de inteligência dos Estados Unidos.

Em toda essa confusão, não se pode negar ainda que o papel da Globo e de outros órgãos de imprensa, é, mais uma vez, lamentável.

O advogado de um dos acusados não demorou a divulgar, aos quatro ventos, com repercussão imediata na grande imprensa, que o seu cliente havia “escutado” que o seu amigo, também preso, teria tido a intenção de “vender ao PT” os arquivos relacionados a Sergio Moro.

Ora, não é possível confiar nessa informação, por vários motivos: primeiro porque a própria Lava Jato criou esse tipo de ambiente, em que acusações ao PT se tornaram uma espécie de “salvo conduto”, ou mesmo pedido de socorro, de pessoas sob a guarda do Estado lavajateiro; segundo porque a simples intenção de vender, ou entregar, informação clandestina comprometedora de um grupo político (e a Lava Jato é, claramente, um grupo político) a seus adversários, não configura nenhum crime.

O Brasil vive hoje uma crise horrível de confiança. Ninguém confia em mais ninguém.

Pior, as próprias instituições estão sob suspeita, e igualmente desconfiando uma das outras.

Isso não vai dar certo.
__________________________________
Com informações de O Cafezinho.

Postar um comentário

0 Comentários