O papel do GRUNEC na ação de mobilização e apoio emergencial às famílias vulneráveis atingidas pelo Covid-19

 

O papel do GRUNEC na ação de mobilização e apoio emergencial às familias vulneráveis atingidas pelo Covid-19. (FOTO/ Divulgação).

O ano de 2020 está sendo marcado pela pandemia provocada pelo COVID-19 que aos poucos de forma destruidora vai espalhando-se e afetando o país e o mundo, suas relações exteriores, as relações internas e as relações sobretudo humanitárias intensificando desigualdades e preconceitos.

Entender as particularidades das pessoas em situação de vulnerabilidade é essencial para minimizar os impactos da pandemia. Ações que possibilitem acesso a água, a comida, higiene pessoal e produtos de limpeza em bairros pobres, periferias urbanas e rurais, comunidades quilombolas, indígenas, mulheres  e LGBT’s em situação de vulnerabilidade social e que convivem em ambientes violentos.

Não é sempre que ficar em casa é estar em segurança.

O Grupo de Valorização Negra do Cariri (GRUNEC) diante dessas urgências, vem mobilizando campanhas no combate aos efeitos da pandemia e construindo redes de cuidado e afeto, para o isolamento social seguro dos grupos vulneráveis, conforme as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), de forma que as pessoas possam cuidar da saúde e se alimentar.

Essas atividades são construídas com o apoio da Cáritas Diocesana do Crato e da Frente de Mulheres do Cariri, como parceiros principais e que estão conosco diariamente na confecção das cestas básicas, arrecadação de fundos e execução das atividades para entrega dos mantimentos.

Outros parceiros devem ser lembramos pelo importante apoio que agregaram aos esforços de mitigação dos efeitos desta emergência sanitária, são eles:

Fundo Baobá para Equidade Racial;

Fundação Itaú;

Fundação Banco do Brasil;

Matchfound Enfrente;

Fundação Tide Setubal;

Projeto Verde Vida;

Instituto da Primeira Infância (IPRED);

Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS);

Rotary Club Cariri;

Projeto Periferia Viva;

Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Ceará – ADUFC;

Associação das Defensoras e dos Defensores do Ceará - ADEPC;

Sindicato dos Docentes da URCA  - SINDURCA;

Sindicato dos Trabalhadores Rurais Crato;

Sindicato do Servidores Municipais de Crato,

Empresa Perboni - Cariri

Os artistas:

Fábio Carneirinho

Xandy Avião

Solange Almeida

E dezenas de pessoas físicas que doaram fundos para as nossas campanhas virtuais

Até o momento as ações do GRUNEC alcançaram as seguintes localidades e grupos vulneráveis:

Casa do Migrante- Crato;

Instituto Monsenhor Murilo – IMM

Crato (bairros e comunidades rurais): Vila Alta, Alto da Penha, Barro Branco, Sertãozinho, Sitio Boa Vista, Batateira, Seminário, Chico Gomes, Currais e Baixio das Palmeiras.

Associação Dos Agentes Recicladores De Crato – AARC;

Associação Dos Catadores De Recicláveis De Barbalha – ACARB;

Associação de Catadores e Catadoras de Juazeiro do Norte – ACCJ;

Profissionais do Circo;

Mototaxistas;

Projeto Periferia Viva;

Mulheres em situação de presídio.

Comunidades quilombolas:

Souza-Porteiras;

Arapucas-Salitre;

Serra dos Chagas -Salitre;

Quincas ­- Salitre;

Cacetes - Salitre;

Lagoa dos Crioulos – Salitre;

Arrudas-Araripe;

Carcará – Potengi;

Curral Novo-PI.

Ao mesmo tempo que vamos até as comunidades, chegam até nós, demandas espontâneas de pessoas que nos procuram relatando dificuldades para se alimentar, o que nos levou a criar uma divisão para essas demandas.

Não conseguimos atender todos os grupos e demandas dos que estão sofrendo pelos impactos econômicos e sociais causados por esse momento.

Testemunhamos diariamente que os efeitos nocivos atingem de forma intensa e desigual moradoras e moradores de periferias rurais e urbanas e também de comunidades quilombolas, indígenas, famílias chefiadas muitas vezes por mulheres que na maioria dos casos perderam seus empregos ou já sofriam com o desemprego.

Até o momento, aproximadamente 37 toneladas de alimentos foram distribuídas, além de kits de higiene pessoal, produtos de limpeza, máscaras e folhetos com informações sobre como se cuidar nesse período pandêmico.

Mais de 6 mil pessoas foram diretamente beneficiadas pelo trabalho desenvolvido pelo GRUNEC e sua rede de parceiros.

Contamos com a ação e o empenho imprescindível de colaboradoras e colaboradores voluntários do GRUNEC e dos demais movimentos sociais para confecção das cestas, sistematização das entregas, ida às comunidades citadas para entregar em segurança as cestas e os demais itens arrecadados e também para a tarefa de arrecadação de fundos.

Tornamos viva a lembrança daqueles e daquelas que não tiveram direito ao isolamento social que tiveram que sair todos os dias para não virem suas famílias não ter nada para comer e se arriscaram no dia a dia pandêmico para permanecerem vivos e vivas.

O auxilio emergencial não alcançou a todas pessoas que precisam, então a tentativa de se manter viva é trabalhar. Lembramos das empregadas domésticas, dos trabalhadores de transportes coletivos, dos profissionais que possibilitam acesso à materiais essenciais, dos profissionais e das profissionais de saúde, dos e das profissionais de educação, dos e das profissionais da limpeza e sobre tudo dos e das agentes dos movimentos sociais que movidos por uma construção de Amor-Ação acreditam no trabalho de instituições como o GRUNEC para não permitir que aqueles que precisavam de afeto e de alimentos sucumbissem esquecidos.

As nossas ações não são caridade, é uma ação motivada pelo amor e pelo afeto que encontra força na coletividade para acreditar numa real transformação da nossa sociedade.

______________________________

Texto de Antonio Carlos Dias de Oliveira, do Grupo de Valorização Negra do Cariri encaminhado a redação do Blog.

Postar um comentário

0 Comentários