Inscrições para o Seminário Negras e Negros no Ceará: escritas, ativismos e sociedade estão abertas


Seminário Negras e Negros no Ceará: escritas, ativismos e sociedade.
(Banner/blog do seminário)


Texto | Nicolau Neto

Entre os dias seis e oito de agosto do ano em curso a Universidade Regional do Cariri (URCA) será palco do “Seminário Negras e Negros no Ceará: escritas, ativismos e sociedade”.  

O seminário é uma realização de grupos e núcleos de estudos voltados para a pesquisa sobre Africanidade, afrodescendência, história e cultura afro-indígenas, relações raciais e de gênero das principais universidades do Estado do Ceará, como o Grupo de Estudo e Pesquisa de História, Cultura e Ensino Afro-Brasileiro, Americano e Africano/GEPAFRO – URCA; Núcleo de História e Cultura Afro-Indígena e Africana/NIAFRO – URCA; Laboratório de Pesquisa em História Social/LABORE – URCA; Centro de Documentação do Cariri – CEDOCC/URCA; Behetçoho – Núcleo de Pesquisa em Cultura Popular – URCA; Programa de Pós-Graduação em Letras – URCA; Grupo de Pesquisa de África Contemporânea/ Unilab; Grupo de Estudos e Pesquisa em Políticas Públicas, História, Educação das Relações Raciais e de Gênero – Geppherg/FE- UnB/UFC; Grupo Trabalhadores livres e escravos no Ceará. Diferenças e identidades ” História/UFC; Núcleo de Estudos e Pesquisas em Afrobrasilidade, Gênero e Família/NUAFRO-UECE; Núcleo de Estudos em História Social e Ambiente – NEHSA-URCA e Grupo de Mulheres Negras do Cariri Pretas Simoa.

Segundo a organização, o seminário visa recuperar trajetos históricos, sociais, culturais e acadêmicos dos afro-cearenses, trazendo para o cerne do debate formas de resistência contra as penalidades do racismo no passado e no presente, os caminhos postulados pelo movimento de organização contemporâneo, memórias, indicadores sociais e políticas públicas governamentais. Propõe ainda, como espaço de debate social e acadêmico, fazer balanços das produções científicas, em diferentes áreas do conhecimento, dedicadas ao tema e que marcaram e marcam a revisão historiográfica, sociológica ou educacional, dentre outras, e das memórias e histórias do protagonismo do movimento social negro cearense.

Objetiva-se ainda fortalecer os debates em torno da questão racial sobre e no Ceará, protagonizada a partir dos anos de 1980, tanto pela militância negra e/ou acadêmica (negra e não negra), particularmente das áreas de Antropologia, Educação, Estudos da Linguagem, Geografia e História, cujas pesquisas se propuseram a revisar o legado de uma prática de ciências humanas atrelada ao discurso de um Ceará sem negros.

A Universidade Regional do Cariri (URCA), Universidade Estadual do Ceará (UECE), Universidade Federal do Ceará (UFC), Universidade Vale do Acaraú (UVA) e a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira/Unilab-CE, além de realizadoras estão como instituições parceiras.

As inscrições para o seminário começaram no dia 24 de abril e irão até o dia 15 de julho. 

Postar um comentário

0 Comentários