1º Ciclo de Palestras da Chapada Cultural desenvolve tema sobre estratégias e articulações para a Candidatura a patrimônio

 

1º Ciclo de Palestras da Chapada Cultural desenvolve tema sobre estratégias e articulações para a Candidatura a patrimônio. (FOTO/ TV Casa Grande).

O Primeiro Ciclo de Palestras do Chapada Cultural do Araripe trouxe o tema “Dossiê, Candidatura e Plano de Gestão da Chapada do Araripe Patrimônio da Humanidade: Estratégia e articulação política e institucional".

Mediada pelo professor Patrício Melo e com participação do criador da Fundação Casa Grande, Alemberg Quindins, do Secretário de Cultura do Estado do Ceará, Fabiano Piúba, da Chefe da Divisão de Reconhecimento Internacional de Bens Patrimoniais do IPHAN, Candice Ballester, e de Conceição Lopes, Coordenadora Científica do Centro de Estudos em Arqueologia, Artes e Ciências do Patrimônio da Universidade de Coimbra (POR) o  primeiro Ciclo de Palestras focou nas discussões de estratégias, as articulações políticas e institucionais para a elaboração do Projeto da Candidatura Chapada do Araripe Patrimônio da Humanidade.

Entre os destaques das falas dos participantes, encontramos a ideia germinadora desse projeto, relatada por Alemberg Quindins, em uma conversa com Conceição Lopes durante uma viagem e a substituição da proposição (da) pelo verbo (dá) que, segundo ele, possibilita a humanização do processo.

A Professora Conceição Lopes, citou que a Mostra Internacional é um momento importante, pois reúne diversas autoridades, representantes institucionais e da sociedade civil. “Conseguimos celebrar o que é fundamental para construir um projeto dessa natureza que é unir a sociedade civil e a sociedade que gera o território - Preservação, valorização e sua manutenção autêntica e íntegra e sua transferência para o futuro”.

A criação dos grupos de pesquisa e de trabalho, juntamente com a articulação para as ações em torno desta candidatura, tiveram início já em 2019 a partir da realização do I Seminário Chapada do Araripe Patrimônio da Humanidade.

Como lembrou Candice Ballester, a ideia era, logo na sequência, dar continuidade e consolidar o projeto através da realização de oficinas e da organização de um material já existente, para a construção de uma narrativa que agregue valores dentro do universo de bens já reconhecidos da Chapada do Araripe. Ela destacou que, já naquela época, foi feita uma aposta na articulação da sociedade civil, com as instituições governamentais, parceiros das universidades e instituições de pesquisa, da iniciativa privada e outras organizações e que este é o grande diferencial para a candidatura da Chapada do Araripe. Diferente de outras candidaturas, "isso nasce espontaneamente aqui, inclusive [por parte] de quem é detentor de todo esse patrimônio, que são os mestres da cultura”, ressaltou.

Fabiano Piúba, que já na solenidade de abertura, havia citado a profícua e permanente relação acadêmica entre Rosiane Limaverde e Conceição Lopes, externou ainda o reconhecimento pelo trabalho de pesquisa desenvolvido pelas duas e que se configura a base de todo esse movimento, através da Tese de Doutoramento Arqueologia Social Inclusiva: A Fundação Casa Grande e a Gestão do Patrimônio Cultural da Chapada do Araripe. “Nós do Ceará temos uma gratidão, reconhecimento, uma cumplicidade, parceria e compartilhamento por sua capacidade técnica e acadêmica nesse projeto, desde que você assumiu estar conosco institucionalmente, isso, a mim, como gestor cultural, me deu tranquilidade e confiança”, disse Fabiano à Conceição Lopes. E mais à frente compartilhou o seguinte pensamento: “A Chapada do Araripe tem uma responsabilidade para adiar o fim do mundo com sua riqueza natural e cultural, porque ela reúne cultura e natureza”.

Para concluir, Alemberg Quindins fez uma apresentação musical e puxou a música “O Trem”, de sua autoria, composta na época em que ele, juntamente com Rosiane Limaverde, circulavam o Brasil se apresentando nos festivais de música.

Antes disso, o criador da Fundação Casa Grande reforçou que esta Casa é um espaço de amigos. “Se a gente não construir amizades, nós fracassamos e a base disso é a infância. É o momento onde a criança tem a maior quantidade de pureza, e isso se resplandece através da inocência. É por isso que brincar é o maior atributo da infância.  A maior criança que existe aqui no entorno e o primeiro habitante é Chapada do Araripe”, concluiu Alemberg Quindins.

Esse primeiro Ciclo de Palestra está disponivel para ser assistido no canal da TV Casa Grande no Youtube através do link https://youtu.be/rAKlbIvDcA4?t=9370

________________

Com informações da site da Chapada Cultural do Araripe.

Postar um comentário

0 Comentários