Debate presidencial sem candidatura negras é racismo estrutural, diz pré-candidato Léo Péricles

 

Léo Pericles. (FOTO | Reprodução | Facebook).

PELAS CANDIDATURAS NEGRAS NOS DEBATES JÁ!

Fazem 92 anos que tivemos o primeiro candidato a presidente negro, de esquerda, trabalhador, de periferia, que foi Minervino Oliveira, pelo Bloco Operário e Camponês, em 1930. De lá pra cá, contamos nos dedos de uma mão o número de pessoas negras que ocuparam esse espaço. Mesmo sendo a maioria da população, nós negros e negras somos excluídos na prática do sistema político que é feito apenas para brancos e ricos.

Nessas eleições, temos candidaturas negras à presidência da República, que mais uma vez, são impedidas de apresentarem suas propostas, não sendo chamadas para nenhum dos debates programados.

De fato, a grande imprensa monopolizou os debates excluindo as candidaturas negras, gerando invisibilização e negando o direito de voz ao povo negro. Assim, nossa fala é cassada e amordaçada mais uma vez.

A pré-candidatura de Léo Péricles, um homem negro, periférico, antirracista e socialista, apresenta um programa de esquerda e de mudanças estruturais jamais realizadas no Brasil. A pré-candidatura de Léo é necessária para a atual situação do Brasil, num momento em que somos vítimas de assassinato, do desemprego e da opressão.

Nossa voz precisa ser ouvida nos debates e nas principais entrevistas. Negar o direito a voz a um trabalhador negro e periférico se constitui em uma atitude racista que nenhum antirracista deve aceitar.

Chega de exclusão.

____________

Publicado originalmente em suas redes sociais.

Postar um comentário

0 Comentários