A educação Popular não começa com Paulo Freire, diz Alex Ratts


Ironides Rodrigues ministra aula de alfabetização para jovens e adultos
 inscritos no Teatro Experimental do Negro. Rio de Janeiro, 1945.
(FOTO/Reprodução/Alex Ratts).

Texto | Nicolau Neto

No último dia 19 de setembro o Brasil relembrou o nascimento de Paulo Reglus Neves Freire. O pernambucano mais tarde se tornaria o educador mais conhecido e influente no mundo.


Por seus estudos, análises, obras escritas e publicadas, Paulo Freire influenciou o que o mundo passaria a conhecer como Pedagogia Crítica e acabou por ser denominado Patrono da Educação.

Uma das suas obras mais conhecidas é "Pedagogia do Oprimido" e concebeu a educação como libertadora. Ela, para ele, necessita ser libertadora para poder cumprir seu papel.  Assim, sua prática didática visava libertar o educando da chamada educação bancária e tecnicista. Por essa visão, o aluno seria liberto criando o caminho da sua aprendizagem. Freire se destacou na área da educação popular, voltada tanto para a escolarização como para a formação da consciência política.

Freire passou a figurar, por tanto, nos meios acadêmicos como uma referência na área da educação popular. Por meio dela se valoriza os saberes prévios de cada comunidade e suas realidades socioculturais na construção de novos saberes.

Sem desconsiderar a importância de Freire, o professor Alex Ratts, da Universidade Federal de Goiás (UFG) discordou da tese de que a educação popular começou com o educador pernambucano.

A educação popular não começa com Paulo Freire nos anos 1960. Temos o Teatro Experimental do Negro e Ironides Rodrigues, nos anos 1940, dentre outrxs”, escreveu o doutor em antropologia pela Universidade de São Paulo (USP).

Paulo Freire e Abdias Nascimento. Guiné-Bissau, 1976.
(FOTO/Reprodução/Alex Ratts).

Para ilustrar seu pensamento, Ratts que é umas das referências no Brasil quando o assunto é população afro-descendente, compartilhou duas imagens. A primeira é o encontro de Paulo Freire e Abdias Nascimento no de 1976, em Guiné-Bissau e a segunda é de Ironides Rodrigues ministrando aula de alfabetização para jovens e adultos inscritos no Teatro Experimental do Negro no Rio de Janeiro em 1945. Ratts também cita a obra   “Educação, instrução e alfabetização de adultos no Teatro Experimental do Negro. In: História da educação do negro no Brasil e outras histórias”, de Jeruse Romão.

Para conhecer um pouco de Abdias Nascimento clique aqui.

Aprofunde seus conhecimentos sobre o Teatro Experimental do Negro clique aqui.

A ativista do Grupo de Mulheres Negras do Cariri Pretas Simoa, Karla Alves, também lembrou de Antonieta de Barros que alfabetizou “crianças pobres e empregadas domésticas em 1922”.

Postar um comentário

2 Comentários

  1. Belíssimo pesquisa Prof Dr Alex Ratts.
    Necessária... Em tempos da tão essencial reconstrução histórica.

    ResponderExcluir
  2. Muito importante registrar as importantíssimas contribuições do TEN.

    ResponderExcluir

Ao comentar, você exerce seu papel de cidadão e contribui de forma efetiva na sua autodefinição enquanto ser pensante. Agradecemos a sua participação. Forte Abraço!!!