Adelita Monteiro, pré-candidata à Câmara Federal pelo Psol, visita Nova Olinda


Comitiva de Adelita Monteiro em bate-papo político com Nicolau Neto na "Conceito Livraria Café", em Nova Olinda. (Foto: Pablo Luan, estudante de Jornalismo na UFCA).

A artesã, ativista política e pré-candidata à deputada federal pelo Partido Socialismo e Liberdade (Psol), Adelita Monteiro, está cumprindo agenda pela região do cariri.

A agenda “Adelita pelo Cariri” começou nesta quarta-feira, 11, e será concluída no domingo, 15, tendo como destino Várzea Alegre, Assaré, Potengi, Crato e Juazeiro do Norte. Segundo o produtor cultural e ativista Técio Nunes, um dos articuladores do movimento, a ideia é construir com a base uma nova forma de fazer política. Ele afirmou que estava programada uma roda de conversa com agricultores familiares de Altaneira, mas que foi adiada.

Na manhã desta quinta-feira, 12, foi a vez do município de Nova Olinda receber Adelita. O grupo constituído de 4 integrantes passou pelo museu do artesão Espedito Seleiro e depois realizou um bate-papo político com este blogueiro, professor e ativista dos direitos civis e humanos das populações negras. Em uma conversa descontraída no espaço “Conceito Livraria Café”, a pré-candidata à Câmara Federal falou acerca do que a motivou em participar do pleito.  Segundo ela, o Brasil tem o congresso mais conservador da história e o momento não é nada animador. “Precisamos enquanto mulher e mulher do campo da esquerda progressista ocupar esses espaços. Só assim poderemos construir um país com mais equidade”, disse ela se referindo a sub-representação feminina na política brasileira.

Nicolau que foi convidado para a conversa afirmou que o Brasil passa por uma grave crise de representatividade política e que as últimas pesquisas presidenciais tem mostrado que o conservadorismo e o reacionarismo representado pela direita e extrema direta e o campo progressista estão muito próximos. A prova disso é o Lula e o Bolsonaro em primeiro e em segundo lugar nas pesquisas, respectivamente. “Bolsonaro com suas frases feitas cheias de ódio, de misoginia, racismo e homofobia está conseguindo falar de uma forma que a população entende. As pessoas que se identificam com essas ideias preconceituosas lhe entendem, sabem o que ele está dizendo e o acompanha”, disse.

Falar de política para o povo, para as pessoas mais humildes, principalmente nas pequenas cidades do interior, em uma linguagem que eles possam entender, é um dos principais desafios da esquerda. Conseguindo isso, estaremos dando um grande passo para podermos ocupar os espaços de poder. Mas, antes, faz-se necessário ocupar os espaços das periferias e das pequenas cidades dialogando com as bases sem academicismo”, destacou Nicolau.

Técio endossou as palavras de Nicolau, mas ponderou não saber se Bolsonaro faz isso por estratégia ou se por falta de conhecimentos dos principais assuntos.

Na mesma linha de raciocínio, Adelita argumentou que a linguagem utilizada pelos membros do partido é alvo de constante debates e que entende ser esse um dos alicerces de sua pré-campanha. “Por isso, estamos visitando os municípios para conversar com quem realmente deseja mudar o pais para melhor. Nosso maior desafio é discutir política com quem não quer”, frisou. Ela mencionou que essa é a segunda vez que concorre a um cargo político. A primeira vez foi em 2010 disputando um assento na assembleia legislativa do Ceará. “Muitas pessoas perguntam se não seria mais fácil concorrer para deputada estadual. Mas a ideia não é apenas concorrer por concorrer, queremos mudar o congresso nacional. Queremos ser uma voz atuante em defesa dos menos favorecidos na Câmara Federal”, disse.

O chamamento para conversar com você, Nicolau, é porque entendemos ser uma pessoa que pode somar conosco nessa caminhada, principalmente no debate sobre raça, sobre a negritude e as relações étnico-raciais nos espaços políticos. Precisamos nos fortalecer e isso precisa ser feito a partir dos municípios”, disse Técio Nunes.

O bate-papo teve alguns encaminhamentos conforme elencados a seguir:

1 – Formação do Psol em Altaneira (possibilidade);

2 – Formação de um grupo de debates e articulações para a divulgação de temas geradores da campanha de Adelita, assim como para apresentação de sugestões;

3 – Inclusão de Nicolau no grupo/partido visando a implementação das discussões de raça, gênero e relações étnico-raciais;

4 – Ficou acordado encontros para o mês de agosto nos municípios de Altaneira e Nova Olinda.



Postar um comentário

0 Comentários