Desaparecida

 

Alexandre Lucas. (FOTO/ Reprodução).

 Por Alexandre Lucas, Colunista

A carta estava amarelada, escrita com pressa e força, era possível perceber a pressão da palavra sobre o papel, escrita grossa e azul. Dobrada várias vezes em tamanho pequeno, cabia na palma da mão. Papel amassado, cheio de rugas, sobras de um embrulho para presente, vermelho cintilante. 

Fincada na parede, a carta parecia Cristo crucificado. Acelerado os desaparecimentos, o aborto das despedidas era um código de sobrevivência. As cartas, às vezes, compostas de três palavras e o embaraço do aligeiramento, nem chegavam aos seus destinatários.

Ninguém sabe o que tinha, o tempo esfarelou cada palavra fincada naquele papel crucificado na parede.

Postar um comentário

0 Comentários