Bell Hooks, escritora e ativista, morre aos 69 anos deixando grande legado sobre feminismo

 

Bell Hooks. (FOTO/ Reprodução).

A escritora e ativista bell hooks morreu nesta quarta-feira (15), aos 69 anos. “É com extrema tristeza que a família de Gloria Jeans Watkins confirma a morte de nossa amada irmã, neste dia 15 de Dezembro de 2021. A família honrou seu pedido de descansar em casa com sua família e amigos ao lado“, escreveu sua família em um comunicado.

Gloria Jean Watkins, nome de registro de hooks, publicou seu primeiro livro de poemas “And There We Wept” sob seu pseudônimo em 1978. O nome artístico era uma homenagem à bisavó.

Ao total, Bell escreveu 40 livros publicados em 15 idiomas diferentes. Os temas tratados pela ativista eram feminismo, racismo, cultura, política, papéis de gênero, amor e espiritualidade.

Watkins frequentou escolas segregadas no Condado de Christian, depois foi para a Universidade de Stanford na Califórnia e fez mestrado em inglês na Universidade de Wisconsin. O doutorado em literatura, por sua vez, foi na Universidade da Califórnia em Santa Cruz.

O trabalho de bell hooks foi descrito como “a redefinição do feminismo”. Para o jornal “Washington Post”, ela conseguiu ampliar um movimento que muitas vezes era visto principalmente como associado a mães e esposas brancas, de classe média e alta.

 _________

Com informações do Notícia Preta.

Postar um comentário

0 Comentários