Professores do cariri reagem a ato convocatório de Bolsonaro contra o congresso


Jair Bolsonaro. (FOTO/ Adriano Machado/ Reuters).

Texto: Nicolau Neto

Diversos professores da região do cariri cearense, da educação básica ao ensino superior, condenaram veementemente o apoio do presidente do Brasil Jair Bolsonaro (sem partido) a ato contra o congresso nacional. As informações divulgadas nos mais variados veículos de comunicação destacam que ele teria compartilhado junto a aliados convocação para manifestações em seu favor e contra o poder legislativo.

A professora da Universidade Regional do Cariri (URCA) Sônia Meneses, pós-doutora em História pela Universidade de São Paulo (USP), destacou que a democracia “está muito enferma” e que estamos “esperando que ela se cure sozinha e isso não vai acontecer”. Sônia lembra que “tem gente que pensa que as eleições irão resolver nossa situação como se estivéssemos numa situação de normalidade política. O próprio ato tresloucado de um senador da república tentando barrar um motim policial nos mostra que tramam violentamente para derrubar o que resta do nosso estado democrático”.

A professora do departamento de História da URCA afirma que “estamos mais reféns da militarização que nos cerca” e que “a convocação que grupos de ultra direita fazem para o dia 15 contra o congresso é uma convocação ao golpe”. “Só não ver quem não quer. Dentro do exército alguns já apoiam. O próprio mandatário também. Nosso prazo se esgota”, ressaltou.

Darlan Reis Jr, pós-doutor em História Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e professor do Departamento de História da URCA, foi categórico. “O presidente do Brasil é pior do que o Congresso. Pior. Para ser pior do que aquilo lá, meu amigo”, disse. Segundo ele, “até o STF é melhor do que o fascista”, se referindo, pois, ao presidente. O professor defende a queda de Bolsonaro e de todos que o acompanha. “Quem é ele para querer mandar sozinho? Quem tem que cair hoje é Bolsonaro. Ele e toda a caterva que o acompanha”, frisou.

Este professor, especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Católica do Cariri (FCC), blogueiro e ativista dos direitos civis e humanos das populações negras, viu como um crime contra a democracia o ato convocatório e lembrou que “a última vez que alguém pediu ou convocou ato contra os poderes constituídos (leia-se Congresso Nacional e o STF) o Brasil mergulhou em um dos períodos mais tristes. O resultado disso foram longos 21 anos de ditadura”. Mencionei, outrossim, que “esses mesmos poderes constituídos e a sociedade como um todo precisam agir imediatamente contra a ação pró-golpe do presidente”.

Reginaldo Venâncio, professor graduado em Matemática e Pedagogia pela URCA e coordenador pedagógico da Escola de Ensino Médio Santa Tereza, em Altaneira, classificou como “um atentado à democracia” e pediu a sua saída. O professor ainda lembrou os dispositivos constitucionais em que comprova sua ideia. Ele citou o Art. 85, da CF/88, incisos I e II.

Postar um comentário

0 Comentários