Projeto em homenagem a Lima Barreto é lançado nas plataformas digitais

 

Obra de Lima Barreto será contada em vídeos por personalidades negras. (FOTO/ Reprodução).

Espalhe Lima Barreto” é o nome da iniciativa em comemoração ao centenário da morte do jornalista e escritor Lima Barreto. O projeto, lançado de forma virtual, destaca o legado do autor por meio de vídeos, artes e textos em formato bilíngue e de livre acesso e o primeiro vídeo, feito pela escritora e filósofa, Djamila Ribeiro, que dá voz a excertos do livro “Clara dos Anjos”, já está disponível.

Entre fevereiro e novembro, mês que marca os 100 anos da morte do autor, vídeos inéditos serão lançados com personalidades negras declamando trechos da obra do autor, como Conceição Evaristo, Lázaro Ramos, Elisa Lucinda, Hilton Cobra e Silvio Almeida.

O apoio artístico e técnico da Baioque foi fundamental para a criação da plataforma Espalhe Lima Barreto. Sob coordenação do Brazil LAB (Universidade de Princeton) e da Companhia das Letras, esse projeto ilumina o legado de um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos, cuja obra foi silenciada pelo racismo e permanece atual frente aos dilemas contemporâneos. Ao longo do mutirão Espalhe Lima, nos tornamos uma única equipe e já estamos nos mobilizando para novas colaborações”, explica Guilherme Fagundes, antropólogo e representante do Brazil Lab, realizadora do projeto.

Newman Costa, Diretor de Audiovisual da Baioque, responsável pela produção audiovisual do projeto, explica que o movimento “Espalhe Lima” será uma oportunidade de reconhecer a vida e obra de Lima Barreto, mas também lançar nas redes conteúdo de impacto social, pilar caro à empresa. “Trazer sua obra, além de ampliar acesso a um conteúdo cultural riquíssimo, levanta uma provocação para que a sociedade reflita sobre questões como a exclusão social e o racismo. Já temos o exemplo do embranquecimento de Machado de Assis, contra o qual até hoje precisamos lutar, e o pequeno espaço dedicado a Lima dá continuidade ao apagamento da produção negra no Brasil. Para nós, este trabalho é uma homenagem, mas também uma luta”, conclui.

_________

Com informações do Notícia Preta.

Postar um comentário

0 Comentários