Há 52 anos era assassinado o guerrilheiro Mariguella

 

Mariguella. (FOTO/ Reprodução).


No dia 4 de novembro de 1969, exatamente 52 atrás, era brutalmente assassinado o militante, guerrilheiro e intelectual marxista Carlos Marighella. Ele é autor de um lúcido e afiado ensaio da antologia CAMINHOS DA REVOLUÇÃO BRASILEIRA, organizada pelo historiador Luiz Bernardo Pericás. Intitulado “A crise brasileira”, o artigo faz um balanço crítico da derrota dos comunistas diante do golpe de 1964 e conclui discutindo a guerrilha como forma de luta de classes. As ressonâncias com a nossa conjuntura atual são inegáveis:

“A subestimação do perigo de direita no panorama político brasileiro foi fruto do reboquismo e da ilusão no governo. [...] A falta de vigilância e a ilusão de classe subsistem exatamente quando a liderança deixa de lado o estabelecimento de um plano tático marxista e não leva em conta a obrigatoriedade do princípio da retirada. O marxismo leninismo e inteiramente avesso à concepção de que na luta de massas tudo se resume a avançar. Assim, ao acionar a linha política de apoio às reformas propugnadas pelo setor da burguesia no poder, não era suficiente assinalar os êxitos obtidos pelas massas. Tornava se preciso, simultaneamente, alertá las e organizá las para a possibilidade de recuo da burguesia, uma capitulação ante a direita ou o desencadeamento do golpe militar – sempre na ordem do dia, quando o movimento de massas cresce a ponto de ameaçar o poder ou a ponto de levar a democracia a uma mudança de qualidade. O erro que se manifestou foi, portanto, um erro ideológico, que pode ser traduzido como a perda do sentido de classe da luta revolucionária do povo brasileiro.”

– Carlos Marighella, “A crise brasileira”, em: CAMINHOS DA REVOLUÇÃO BRASILEIRA, organizado por Luiz Bernardo Pericás 

📚 Dicas de leitura

◢ CAMINHOS DA REVOLUÇÃO BRASILEIRA, organizado por Luiz Bernado Pericás http://bit.ly/2TiWCSc

◢ O QUE RESTA DA DITADURA: a exceção brasileira, organizado por Edson Teles e Vladimir Pinheiro Safatle

http://bit.ly/2yNyrDn

◢ DITADURA: o que resta da transição, organizado por Milton Pinheiro http://bit.ly/2yUHgLl

◢ MEMÓRIAS, de Gregório Bezerra 

http://bit.ly/2zP1nIS

◢ MARGEM ESQUERDA 22, com dossiê especial sobre os 50 anos do Golpe de 1964 

http://bit.ly/margem-22

◢ MARGEM ESQUERDA 3, com dossiê especial sobre os 40 anos do Golpe de 1964 http://bit.ly/margem-3

◢ OUSAR LUTAR: memórias da guerrilha que vivi, de José Roberto Rezende e Mouzar Benedito 

http://bit.ly/2yNb115

📺 Na TV Boitempo

◢ A legitimidade da violência revolucionária de Marighella aos Panteras Negras, com Jones Manoel e Vladimir Safatle

https://bit.ly/3aJFw9q

📰 No Blog da Boitempo

◢ “Marighella: ecos do chamamento”, por Felipe Catalani

https://bit.ly/3aIGnHu

◢ “Marighella”, por Lincoln Secco

https://bit.ly/3aKX993

◢ “Marighella: o filme e a resistência de ontem e de hoje”, por Flávio Aguiar

https://bit.ly/3AJKJIT

#Marighella #Revolução #Boitempo

-----------------

Com informações da Boitempo.

Postar um comentário

0 Comentários