“Grupo contra Bolsonaro incomoda por causa de seu potencial”, diz antropóloga Rosana Pinheiro


Para antropóloga da Universidade Federal de Santa Maria, no Grupo no Facebook que reunia mais de 1 milhão de mulheres é fenômeno político extraordinário. (Foto: Arquivo Pessoal).

Após sofrer ataques neste fim de semana, o grupo “Mulheres Unidas contra Bolsonaro” foi retirado temporariamente do ar pelo Facebook. O grupo ganhou repercussão por reunir em poucos dias mais de 1 milhão de mulheres (além de milhares de outras solicitações aguardando aprovação) se opondo à candidatura do deputado Jair Bolsonaro (PSL) à Presidência.

Administradoras do grupo afirmaram ao site Catraca Livre que o perfil de uma delas na rede social foi invadido na quinta-feira 13 e seus dados pessoais foram expostos. Outra administradora disse ter sido ameaçada via WhatsApp para que encerrasse o “Mulheres Unidas contra Bolsonaro”, recebendo inclusive uma mensagem com seus dados.

Neste domingo 16, a página está fora do ar. Segundo o jornal El País, o Facebook está trabalhando para “restaurar o grupo às administradoras”.

“O incômodo é porque sabem da potência, da possibilidade desse grupo. Dois milhões de mulheres organizadas, motivadas e discutindo são capazes de mobilizar suas mães, filhas, amigas. Imagina o impacto disso em um país com a quantidade de eleitores como o Brasil”, afirma a antropóloga Rosana Pinheiro-Machado, professora da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e ex-professora da Universidade de Oxford, no Reino Unido.

"Não nos quiseram nas redes, agora terão que nos aguentar na rua", completa.

Clique aqui e confira a entrevista da antropólogo à CartaCapital

Postar um comentário

0 Comentários