60 motivos para não votar em Bolsonaro


(Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil).


Um texto da jornalista Marília De Toledo Kodic, que circula nas redes sociais, lista 60 motivos que mostram que Jair Bolsonaro (PSL) não deve ser opção de escolha no segundo turno das eleições presidenciais.

Eu fiz o levantamento com rigor jornalístico. Passei algumas madrugadas pesquisando tudo para te escrever. Tenho todas as fontes de todas as matérias, estudos, entrevistas e vídeos. Sei que está enorme, mas valeu a pena escrever, e espero que valha a pena ler – mesmo que seja aos poucos, mesmo que seja só passando o olho. Quis incluir tudo”, disse a jornalista em sua página no Facebook.

SOBRE JAIR BOLSONARO

Corrupção

1. O PP (ao qual Bolsonaro foi filiado até dois anos atrás) é o partido com o maior número de deputados investigados pelo STF. Bolsonaro só saiu do PP porque não o admitiram como candidato à presidência. E, quando chegou ao atual, o PSL, houve uma cisão interna, e declararam, em comunicado oficial: “A chegada do deputado Jair Bolsonaro é inteiramente incompatível com o projeto de construir no Brasil uma força partidária moderna, transparente e limpa”.

2. No PSL, Bolsonaro admitiu receber R$ 200 mil de propina da JBS. Disse (está gravado em vídeo): “recebeu propina, sim, mas qual partido não recebe?”.

3. Nos últimos 12 anos (em que Bolsonaro e seus três filhos se dedicaram apenas à política), o patrimônio da família cresceu 427%, com indícios de lavagem de dinheiro. Um exemplo: adquiriram 2 casas num condomínio Barra da Tijuca por um terço do preço avaliado, e, matematicamente falando, as casas tiveram valorização de 450% nos últimos 8 anos – o que não aconteceu com nenhuma outra casa no mesmo condomínio. Como?

4. O irmão de Bolsonaro foi descoberto como “funcionário fantasma” da Alesp – ele recebia um salário de R$ 17 mil mas nunca apareceu no trabalho.

5. Foi descoberta uma “funcionária fantasma” de Bolsonaro – na teoria, era uma funcionária do gabinete parlamentar (paga com dinheiro público), na realidade, trabalhava na casa de veraneio dele em Angra dos Reis.

6. Bolsonaro pagou R$ 240 mil em dinheiro público a uma produtora de vídeo – que não existe a não ser no papel. Isso é gasto ilícito e crime de falsidade ideológica.

7. Quando questionado sobre o auxílio moradia que recebia (mesmo tendo diversas casas), Bolsonaro disse que usava o dinheiro público para “comer gente”.

8. O general Augusto Heleno Ribeiro Pereira, escolhido por Bolsonaro para o Ministério da Defesa, recebia salário de R$ 59 mil (dinheiro público) no Comitê Olímpico Brasileiro. Segundo a lei, só poderia receber R$ 33 mil. Depois que isso foi divulgado, ele se demitiu.

9. Onyx Lorenzoni, além de ajudar a construir o programa de governo de Bolsonaro, é o seu articulador de apoios. No ano passado, ele confessou ter obtido R$ 100 mil em caixa 2 (dinheiro sujo = crime). “Vou ao ministério público e ao judiciário responder por este erro que cometi”, disse. Até hoje. não foi investigado por isso. Mas está investigado, no entanto, por caixa 2 no caso Odebrecht.

10. Paulo Guedes, responsável pela Economia no governo de Bolsonaro e escolhido como Ministro da Fazenda, está sendo investigado por fraude: captou R$ 1 bilhão de forma irregular. R$ 1 bilhão.

11. Bolsonaro está sendo acusado de usar caixa 2 nas eleições – um crime eleitoral. Ao menos 4 empresas financiaram com dinheiro sujo a compra de pacotes de distribuição de mensagens contra o PT por WhatsApp, no valor de 12 milhões de reais por pacote.

12. “Eu sonego imposto. Sonego tudo o que for possível”, disse Bolsonaro (em vídeo). Nada a acrescentar.

Atuação política

13. Muito se fala de o Brasil “virar uma Venezuela caso o PT ganhe”. Em 1º lugar, isso nunca aconteceu em anos de governo do PT. Em 2º, a Venezuela tem um governo civil autoritário com apoio militar – exatamente o que Bolsonaro defende. Numa entrevista à Veja anos atrás, Bolsonaro disse: “Chávez [presidente da Venezuela e símbolo da esquerda] é uma esperança para a América Latina e gostaria muito que essa filosofia chegasse ao Brasil. Ele vai fazer o que os militares fizeram no Brasil em 1964, com muito mais força. Na verdade, não tem nada mais próximo do comunismo do que o meio militar. Acho ele ímpar”.

14. O partido de Bolsonaro foi o mais fiel a Temer neste ano (mais do que o partido do próprio Temer), de acordo com análise de votações realizadas na Câmara. Com 82% de rejeição, Temer é o presidente mais impopular da história do país.

15. Bolsonaro votou a favor da PEC 241, que congela os gastos do governo em áreas como saúde e educação durante 20 anos. Ao longo de 27 anos como deputado, ele tem votado a favor do aumento dos salários, benefícios e gastos de deputados e senadores. Faz sentido?
16. Bolsonaro foi um dos dois deputados a votar contra a PEC das domésticas, que garantiu direitos básicos de trabalhador com carteira assinada a mulheres que trabalhavam em regime de semi-escravidão.

17. Bolsonaro foi o único deputado a votar contra o Fundo de Combate e Erradicação da Pobreza, que visa diminuir a desigualdade direcionando recursos públicos para programas de nutrição, habitação, educação e saúde.

19. Bolsonaro defende esterilização de pobres como solução para miséria e crime. “Devemos adotar uma rígida política de controle da natalidade. Não podemos fazer discursos demagógicos, cobrando recursos e meios do governo para atender a esses miseráveis que proliferam cada vez mais por toda esta nação.” “Tem que dar meios para quem, lamentavelmente, é ignorante e não tem meios controlar a sua prole. Porque nós aqui controlamos a nossa. O pessoal pobre não controla.” “Só tem uma utilidade o pobre no nosso país: votar. Título de eleitor na mão e diploma de burro no bolso.”

20. Bolsonaro tentou fazer com que diversos projetos de lei controversos (para dizer o mínimo) fossem aprovados na câmara. Exemplos: uma lei que tira o direito das vítimas de violência sexual de terem atendimento emergencial, outra que desbloqueia o uso de celulares e radiotransmissores em presídios, e outra que faz com que nenhum homicídio cometidos por militares seja investigado.

21. Em 27 anos como deputado, Jair Bolsonaro aprovou o total de 2 projetos. Dois.


Postar um comentário

0 Comentários